23/11/2020 às 10h50min - Atualizada em 23/11/2020 às 10h50min

Argentinos desesperados pela fome comem carne estragada enterrada pela polícia.

A polícia reteve o material por quase três dias, sem refrigeração e sob o forte sol missionário, para terminar de enterrá-lo na manhã de terça-feira (17). As cenas bárbaras mostram pessoas famintas desenterrando a comida estragada, usando enxadas, picaretas e as próprias mãos.

Cristina Barroso
(REPRODUÇÃO)

O governo comunista do peronista Alberto Fernandez na Argentina aliado a crise causada pelo vírus chinês, trouxe ao povo argentino desemprego, miséria e muita fome.
Um vídeo estarrecedor que circulou nas redes sociais, mostra o desespero do povo argentino desenterrando carne de frango estragada para saciar a fome.

Na última segunda-feira (16), a polícia local apreendeu cerca de 1.200 caixas de frangos no bairro Altos del Paraná, no Antigo Clube de Pesca, no valor aproximado de dois milhões de pesos, como parte de uma investigação por suposto contrabando. 
A polícia reteve o material por quase três dias,  sem refrigeração e sob o forte sol missionário, para terminar de enterrá-lo na manhã de terça-feira (17).
 
Segundo o Movimento Ativo Social e Político Iguaçu (MAS), ciente do procedimento, um grupo de moradores que passam fome na cidade, aproximou-se do local munido de ferramentas, desenterrou o produto contaminado pela falta de frio e contato com o solo, que havia sido apreendida pela Prefeitura Naval argentina e levou para casa.
 
Conforme o representante do movimento social, Claudio Altamirano, as imagens divulgadas nas redes sociais retratam a crise econômica que os moradores enfrentam.
Toda essa situação complexa, socioeconômica, faz com que Porto Iguaçu esteja afundada na miséria, na pobreza e na fome. Essas imagens são o reflexo fiel, a realidade de como estamos hoje em Porto Iguaçu. A fome bate forte nas portas e também esvazia os potes das famílias. Eles tiveram que desenterrar frango para poder comer”.
Esta mercadoria apreendida foi enterrada nas dependências da Terceira Seção da Polícia da Província de Misiones, localizada na área de 2.000 hectares de Puerto Iguazú, pelo Serviço Nacional de Segurança Alimentar (SENAS), em colaboração ao Município de Puerto Iguazú.
Segundo a Marinha, os suspeitos que estavam no local agrediram a equipe do órgão federal com pedras. Um dos soldados ficou ferido e o veículo da Marinha foi danificado.

O vídeo mostra algumas pessoas escavando a terra para pegar as 1,2 mil caixas de carnes, – entre eles estão crianças, idosos e mulheres – onde carne e pés de frango foram enterrados pelas autoridades sanitárias.
As cenas bárbaras mostram pessoas famintas desenterrando a comida estragada, usando enxadas, picaretas e as próprias mãos.

Grupos de organizações sociais de Puerto Iguazú fizeram um protesto, na quinta-feira (19Novembro2020), cobrando medidas de assistência social do poder público aos moradores que foram flagrados desenterrando os frangos.
Segundo o representante do Movimento Ativo Social e Político Iguaçu, as carnes descartadas poderiam ter sido direcionadas para abrigos de bairros da periferia assim que foram apreendidas, para serem consumidas pelas famílias que passam fome.

Nós, das organizações sociais, estamos questionando se esses alimentos, em vez de serem enterrados, poderiam ter sido direcionados para cozinhas comunitárias dos bairros, onde há muitas crianças, famílias, mulheres e idosos com fome, em Porto Iguaçu“.
 
A marca registrada de um governo comunismo é a miséria, fome, desemprego, falência e desespero para o povo que tem a má sorte de ser governado por esses ditadores comunistas e genocidas.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »