18/11/2020 às 16h41min - Atualizada em 18/11/2020 às 16h41min

Em 6 meses o Irã terá urânio enriquecido para a construção de duas bombas, descumprindo o acordo de 2015 assinado em Viena.

Conforme o acordo nuclear assinado em Viena em 2015, Teerã não tem permissão para usar centrífugas, o método mais comum de enriquecimento de urânio, é muito sofisticado.

Cristina Barroso
(REPRODUÇÃO)
Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) informou nesta quarta-feira que o regime iraniano começou a colocar em operação as "centrífugas avançadas" que haviam sido deslocadas para um setor subterrâneo da usina de Natanz , principal centro de enriquecimento de urânio.

Conforme o acordo nuclear assinado em Viena em 2015, Teerã não tem permissão para usar centrífugas, o método mais comum de enriquecimento de urânio, é muito sofisticado.

Em um relatório publicado na semana passada, a agência das Nações Unidas informou sobre a remoção de centrífugas após uma explosão em outra instalação, descrita como "sabotagem" pela República Islâmica.
Desde maio de 2019, o Irã tem abandonado gradualmente seus compromissos em resposta à retirada dos EUA do acordo assinado em Viena em 2015 e ao restabelecimento das sanções impostas pelo governo do presidente Donald Trump.
De acordo com o último relatório da IAEA,a quantidade de urânio levemente enriquecido é agora 12 vezes o limite autorizado.  
O acordo permite que Teerã continue usando 5.060 centrífugas de primeira geração, com capacidade menor, embora limite o armazenamento de urânio enriquecido a um máximo de 300 quilos.

Foi depois de ler este documento que Donald Trump teria sondado altos funcionários dos EUA sobre a possibilidade de "agir" contra uma instalação nuclear iraniana, provavelmente Natanz, conforme relatado pelo The New York Times esta semana.
Os participantes da reunião, incluindo o vice-presidente Mike Pence ; o secretário de estado; Mike Pompeo ; o novo secretário de Defesa interino, Christopher Miller , e o Chefe do Estado-Maior General, General Mark Milley , dissuadiram o presidente de realizar um ataque militar sob o risco de degenerar rapidamente em um conflito mais amplo, disse o jornal de Nova York.
Após esses relatos, o porta-voz do regime iraniano, Ali Rabií , disse que qualquer ação militar contra seu país seria recebida com "uma resposta esmagadora".
Questionado sobre o assunto, o chefe da AIEA, Rafael Grossi , se recusou a especular sobre qualquer cenário possível: "Não recebemos nenhuma informação".

O chefe da AIEA também revisitou o local suspeito no distrito de Turquzabad, em Teerã, denunciado no passado pelo governo israelense como local de atividades nucleares secretas.
A agência solicitou recentemente "uma explicação completa e rápida do Irã sobre a presença de partículas antropogênicas de urânio (resultantes de atividades humanas)." 
“O que eles nos contam, do ponto de vista técnico, não vale”, explicou Rafael Grossi. "Eles têm que nos explicar por que encontramos o que encontramos”.  “Do contrário, teremos que nos preocupar com o conteúdo e o alcance do que eles nos dizem (os iranianos) ”, advertiu o argentino.
A delegação norte-americana criticou na sessão plenária do Conselho como "absolutamente inaceitável" que o Irã não tenha resolvido em quase dois anos a origem desses vestígios fósseis.

Por sua vez o Irã confirmou que começou a injetar gás em uma rede de centrífugas avançadas. O representante persa na AIEA, Kazem Gharibabadi, disse que a agência internacional veificou essa medida tomadapor Teerã há quatro dias.

"O Irã começou a introduzir (gás hexafluoreto de urânio) UF6 na cascata recentemente instalada de 174 centrífugas IR-2m na planta de enriquecimento de combustível em Natanz", escreveu Gharibabadi em sua conta no Twitter.

As centrífugas são o método mais comum de enriquecimento do urânio no estado gasoso (hexafluoreto). 
Eles atuam separando os isótopos do U235, presentes em apenas menos de 1% do urânio natural e necessários para a fissão sustentável, do U238 mais massivo. Urânio levemente enriquecido é aquele cuja presença de U235 aumentou para uma porcentagem entre 2 e 5% e é usado em usinas nucleares; motores de propulsão, como os usados ​​por submarinos, requerem urânio enriquecido a 20% e as armas nucleares requerem um enriquecimento de mais de 80%. Por esta razão, os padrões de não proliferação limitam o enriquecimento superior.
Conforme as disposições do acordo nuclear, até agora o Irâ usava apenas centrífugas IR-1 de primeira geração para enriquecer urânio a um nível máximo de 3,67% U235.

Em seu último relatório sobre o Irã, divulgado na semana passada, os inspetores da ONU explicaram que os iranianos começaram com a instalação de uma cascata de centrífugas do tipo IR-4, ainda mais modernas , embora ainda não do tipo IR-6.
De acordo com cálculos recentes do Instituto de Ciência e Segurança Internacional (ISIS) em Washington, as três cascatas com máquinas do tipo IR2m, IR-4 e IR-6 aumentariam a capacidade de enriquecimento de urânio do Irã em quase 50%.

O mesmo instituto estima, em uma análise do último relatório da AIEA, que o Irã precisaria agora de menos de seis meses para obter urânio enriquecido suficiente para duas bombas.

As autoridades iranianas esperam que o presidente eleito dos Estados Unidos seja Joe Biden ,e voltem ao acordo nuclear - patrocinado sob o governo de Barack Obama - e retirem a política de "pressão máxima" imposta por Trump.

A esse respeito, o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohamad Yavad Zarif, disse hoje em uma entrevista a um jornal estatal que os Estados Unidos podem retornar facilmente ao pacto nuclear, mas "não estão em posição de estabelecer condições". “Se os Estados Unidos cumprirem suas obrigações de acordo com a resolução 2231 (da ONU) cumpriremos nossos compromissos com o JCPOA”, disse ele.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »