03/11/2020 às 17h38min - Atualizada em 03/11/2020 às 17h38min

Cabo eleitoral é assassinada com 14 tiros após fazer denúncia.

Renata afirmou que "não adianta me ameaçarem de morte. Hoje (ontem), teve dois cidadãos que foram no prédio me ameaçar, me coagir. O que eu fiz ontem eu vou fazer amanhã, vou fazer depois de amanhã. Mais uma denúncia aqui na Polícia Federal".

Cristina Barroso
(REPRODUÇÃO)
Um dia após registrar uma denúncia de corrupção na área de saúde pública em Magé (Baixada Fluminense) e afirmar, em um vídeo, que havia recebido ameaças de morte, uma cabo eleitoral foi assassinada a tiros na porta de casa, em Magé, na manhã desta sexta-feira, 30. Renata Castro, de 40 anos, fazia campanha para Renato Cozzolino, deputado estadual e candidato a prefeito do município da Baixada Fluminense pelo PP.

Magé - O corpo da cabo eleitoral da família Cozzolino Renata Castro, assassinada na sexta-feira, foi enterrado no fim da manhã deste sábado, em Magé. Além de parentes, autoridades políticas e candidatos a vereador na cidade também estiveram presentes, num clima de medo.
Renata Castro fez várias denúncias contra o governo, foi coordenadora do CEO de Piabetá e já sinalizava que estava sendo perseguida e ameaçada.

A segurança no cemitério foi reforçada para o enterro com pelo menos dois carros da Polícia Militar. Segundo informações da TV Globo, Renata, 40 anos, costumava andar com seguranças, mas estava sem eles no momento em que foi assassinada, na porta de casa com 14 tiros, no bairro Fragoso.

"Muitas pessoas desistem da política em Magé por causa do medo, das ameaças de morte. Ninguém pode abrir a boca para falar nada. Até em rede social, se alguém publicar alguma coisa, ninguém compartilha, ninguém comenta, ninguém curte, ninguém faz nada", disse um morador que não quis se identificar.
 
No vídeo, gravado na quinta-feira em frente ao prédio da Polícia Federal em Magé, Renata afirmou que "não adianta me ameaçarem de morte. Hoje (ontem), teve dois cidadãos que foram no prédio me ameaçar, me coagir. O que eu fiz ontem eu vou fazer amanhã, vou fazer depois de amanhã. Mais uma denúncia aqui na Polícia Federal".
O crime será investigado pela Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você votaria em Bolsonaro para Presidente em 2022?

90.2%
9.8%