21/10/2020 às 12h09min - Atualizada em 21/10/2020 às 12h09min

Pesquisadores denunciam bot do Telegram que cria nude fake por menos de R$ 10

O mecanismo se aproveita de uma técnica de deepfake chamada de DeepNude e usa inteligência artificial para trocar o rosto de modelos nuas por fotos obtidas por redes sociais das vítimas e enviadas pelos clientes.

Cristina Barroso
Yahoo
(REPRODUÇÃO)
O levantamento vem da Sensity. Segundo relatório da companhia, mais de 100 mil imagens foram compartilhadas pelo Telegram usando o sistema.
O mecanismo se aproveita de uma técnica de deepfake chamada de DeepNude e usa inteligência artificial para trocar o rosto de modelos nuas por fotos obtidas por redes sociais das vítimas e enviadas pelos clientes.
O negócio gira em torno de vender tais materiais usando bots. O usuário envia a foto da pessoa que gostaria de ver com o deepfake. O sistema até oferece resultados gratuitos, mas com marcas d’água ou somente com nu parcial. Para liberar o material, é preciso pagar uma quantia.
Segundo o levantamento, com 100 rublos (aproximadamente R$ 7) seria possível fazer até 100 fotos fakes de uma pessoa nua.

O DeepNude foi apresentado em junho deste ano e rapidamente retirado do ar pelos próprios criadores, exatamente pelo medo de ser usado de forma errada. Criminosos, contudo, recriaram e aprimoraram a tecnologia por engenharia reversa usando em bots pelo Telegram.
O acesso a fotos manipuladas que coloca pessoas em posições de nudez não é exatamente uma novidade, tendo em vista que isso é possível com Photoshop e outras ferramentas de edição. Contudo, o que causa mais espanto aos pesquisadores é a acessibilidade da tecnologia.
Fazer uma imagem fake de uma pessoa no Photoshop requer um nível de conhecimento e tempo. Já com o bot, com custo baixo, uma pessoa mal-intencionada poderia espalhar uma imagem mentirosa mesmo pelo Telegram ou outra rede social.
 Segundo os pesquisadores, 70% dos canais de bots criados no Telegram são provenientes da Rússia e arredores, sendo que a maioria deles permanece ativa.

O que é Deepfake

No começo de 2019 começaram a surgir na internet vídeos de celebridades, como Nicolas Cage, pronunciado no lugar do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. A verdade é que nem o astro, nem outros atores tomaram o principal púlpito dos EUA. Todas as imagens divulgadas foram criadas por deepfake.
O termo faz referência a qualquer modificação em vídeo, foto ou outras imagens (como GIFs) que tenham sido criadas para parecer realista, mas feita com inteligência artificial. No fim, o objetivo é que a modificação seja tão imperceptível que pareça real.
A palavra vem da mistura dos termos “deep learning” e “fake”. Ou seja, uma imagem falsa criada com um sistema de inteligência artificial usando deep learning.

Disney cria sistema de deepfake mais convincente até agora

Uma equipe de pesquisadores da Disney criou um projeto de deepfake mais realista do que os principais sistemas já existentes. A tecnologia foi publicada pelo Disney Research Studios, braço de novas tecnologias da empresa, com resultados melhores que outros conhecidos, como DeepFaceLab.
O deepfake é a tecnologia em que é possível trocar o rosto de uma pessoa por outro de modo tão realista que se torna praticamente imperceptível para o usuário comum. O sistema da Disney usa machine learning para compreender o padrão do rosto do usuário e criar uma camada com o rosto falso que vai em cima do rosto original.
 
Fonte: Canaltech
 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você votaria em Bolsonaro para Presidente em 2022?

90.2%
9.8%