20/10/2020 às 20h08min - Atualizada em 20/10/2020 às 20h08min

Lady Di revela sua dor em documentário que irá ao ar no Reino Unido.

Em "Diana: The Truth Behind the Interview", que irá ao ar no Reino Unido na quarta-feira, o ex-editor do Daily Telegraph, Max Hastings, relatou sua reunião de duas horas com a mãe dos príncipes William e Harry. “Ela disse: 'Estou terrivelmente ansiosa para que minha versão disso seja divulgada’”.

Cristina Barroso
Infobae
(REPRODUÇÃO)
O casamento real do Príncipe Charles e Lady Di, que aconteceu em 29 de julho de 1981 na Catedral de Saint Paul, em Londres, chamou a atenção de todo o mundo e foi acompanhado pela mídia por mais de 750 milhões de pessoas.
 
A princesa Diana descreveu seu casamento com o príncipe Charles como "um inferno desde o início" e disse que não o achava adequado para ser rei



Uma série de revelações até então desconhecidas será trazida à luz em um documentário que estréia esta semana no Reino Unido.
Lady Di descreveu sua dor em uma conversa com o editor de um jornal, três meses antes de revelar ao mundo sua relação traumática com o filho mais velho da Rainha Elizabeth II no programa "Panorama" da BBC em 1995.

Hoje, quase 25 anos depois daquela entrevista surpreendente em que Diana fez afirmações do tipo “éramos três nesse casamento... Então foi um pouco lotado”, um novo documentário revela como ela já havia procurado contar sua história.
Em "Diana: The Truth Behind the Interview", que irá ao ar no Reino Unido na quarta-feira, o ex-editor do Daily Telegraph, Max Hastings, relatou sua reunião de duas horas com a mãe dos príncipes William e Harry. “Ela disse: 'Estou terrivelmente ansiosa para que minha versão disso seja divulgada’”.

Ela também afirmou que Diana colocava toda a atenção em seu filho mais velho, o príncipe William . “Ela disse que a única coisa que importava para ela era a sucessão de Guilherme ao trono”, disse o jornalista. 
Ele acrescentou: "Eu disse explicitamente: 'Não acho que Charles possa fazer isso'". 

De acordo com Hastings, a princesa queria que Charles se afastasse como herdeiro do trono e que William tomasse seu lugar.
Essas novas revelações vêm enquanto a série da Netflix “The Crown” se prepara para ir ao ar sua quarta temporada, que revela a infelicidade no casamento real.

Quase 23 milhões de telespectadores, sintonizaram a BBC no Reino Unido em 20 de novembro de 1995 para ver a entrevista na qual Lady Di desnudou sua alma sobre seu casamento fracassado com o príncipe Charles e o caso do herdeiro com Camilla Parker Bowles.
Os jornais do dia seguinte não falaram de mais nada. O país inteiro não tinha outro tema de conversa. Indignada, Isabel II enviou uma carta a Charles e Diana solicitando que acabassem com a situação e se divorciassem.

O novo documentário também levanta questões sobre como Martin Bashir, também autor de "Living with Michael Jackson", o célebre documentário que arruinou para sempre a reputação do "Rei do Pop", conseguiu o apoio do irmão de Diana, Earl Spencer, para ela concordar em sentar-se diante das câmeras.
Nas últimas semanas, Bashir foi acusado de obter aquele furo real ao levar Diana de Gales a acreditar que o serviço secreto estava grampeando suas conversas privadas e também usando extratos bancários falsos para fazer com que seu irmão ajudasse a encerrar a entrevista.
 
"Diana acreditava totalmente que os serviços de segurança a estavam vigiando", disse David Puttnam, o produtor que uma vez expulsou Dodi Al-Fayed das filmagens de "Chariots of Fire", ao jornal inglês mencionado por oferecer cocaína aos atores. "Mas não tenho como saber se isso é verdade ou não", acrescentou.

Também ecoa afirmações feitas recentemente no The Sunday Times de que documentos falsos foram mostrados a Spencer, com o propósito de mostrar um ex-membro de sua equipe recebendo pagamento por informações de sua irmã.
No início deste mês, a BBC disse ao Sunday Times que Bashir não estava em condições de responder. "Perguntas sobre a entrevista do Panorama com a princesa de Gales, e em particular a 'simulação' dos extratos bancários, foram cobertos pela imprensa na época", diz o comunicado. "Os registros internos da BBC na época indicam que a princesa confirmou por escrito que esses documentos não influenciaram sua decisão de conceder a entrevista."



Diana de Gales perdeu a vida em um acidente de carro fatal em Paris no início da manhã de 31 de agosto de 1997. Sua saída causou grande impacto. Justamente quando ela recuperou a felicidade com o magnata egípcio Dodi al Fayed, um incidente evitável acabou com a vida dos amantes. 
Diana e o namorado, coincidências da vida, fugiam dos paparazzi e, quando estavam na Ponte Almá, o veículo colidiu com uma das colunas. Três horas depois, Lady Di faleceu aos 36 anos, deixando o mundo em estado de choque. 
Junto com ela e seu parceiro, seu motorista, Henri Paul, também faleceu. O único sobrevivente foi o guarda-costas de Al Fayed, Trevor Rees-Jones.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você votaria em Bolsonaro para Presidente em 2022?

90.2%
9.8%