20/10/2020 às 02h17min - Atualizada em 20/10/2020 às 02h17min

A Argentina com sete meses de quarentena, continua assombrada pelo vírus e alcança 1 milhão de infectados pela Covid-19

Por outro lado, ocorre o contrário na AMBA, conglomerado urbano que compõe a Cidade de Buenos Aires e os 40 municípios que estão na periferia, aonde o número de casos vem diminuindo há 6 semanas consecutivas.

Cristina Barroso
Infobae
(REPRODUÇÃO)
Após sete meses de quarentena, que foi aplicada em diferentes formatos dependendo das províncias, a Argentina superou um milhão de infecções por corona vírus nesta segunda-feira. 
O Ministério da Saúde informou que nas últimas 24 horas foram registrados 12.982 casos e 451 pessoas morreram. 
Com esses dados, o país alcançou1.002.662 infecções desde o início da pandemia, enquanto o número total de mortes chegou a 26.716.

Nas últimas 24 horas, foram realizados 28.395 exames e realizados 2.626.406 exames diagnósticos para a doença desde o início do surto, o que equivale a 57.880 amostras por milhão de habitantes.

Atualmente, a Argentina continua sendo assombrada pelo vírus. A maior parte das infecções ocorreu no interior do país, especialmente nas províncias de Córdoba, Santa Fé, Río Negro, Chaco e Tucumán. 

Por outro lado, ocorre o contrário na AMBA, conglomerado urbano que compõe a Cidade de Buenos Aires e os 40 municípios que estão na periferia, aonde o número de casos vem diminuindo há 6 semanas consecutivas.

Esta última informação permitiu ao governador de Buenos Aires, Axel Kicillof , anunciar ontem o término da temporada de verão na costa atlântica. 

Essa licença que o presidente poderia dar a si mesmo, porque os dados epidemiológicos permitem, não pode ser dada por muitos governadores que atualmente têm o sistema de saúde com níveis elevados de saturação.

O cenário nacional mudou com o passar dos meses. De março a agosto, a maioria dos casos ocorreu na AMBA e, no que diz respeito ao interior, concentraram-se em cidades específicas. 
As províncias tiveram os casos controlados. Mas na fase final do inverno, as infecções começaram a brotar e a nova normalidade em que muitos governadores haviam avançado, foi diluída com novas medidas de restrição.

 Em cada ato público, o presidente Alberto Fernández e o governador Axel Kicillof defendem a gestão da quarentena realizada durante os sete meses. 
Ressaltam que o sistema de saúde foi ampliado e melhorado, que não havia outra forma de diminuir o índice de contágio e que os hospitais não saturaram e que a economia, com ou sem restrições, sofreria forte impacto por causa da crise sanitária e econômica era global.

Na mesma linha, o Ministro da Saúde da Nação, Ginés González García , costuma se manifestar, e o fez novamente no último sábado Durante o fim de semana, ele disse que em todo o continente americano “a pandemia está tendo uma duração inesperada” e pediu que a sociedade continue com os cuidados preventivos, pois a vacina "Pode ser para o início do ano (2021) ou talvez alguns dias antes e em março de forma massiva."

“Todos pensamos que a pandemia na América duraria um pouco, não como na Ásia, mas como na Europa (que está tendo um surto muito forte hoje), mas por algum motivo que não é muito explicado, - Eu pelo menos não tenho a explicação e que li tudo o que existe - está tendo uma duração inesperada, em toda a América, do Alasca à Terra do Fogo ”, disse o ministro em entrevista a Rádio Continental.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »