12/07/2020 às 11h06min - Atualizada em 12/07/2020 às 11h06min

Avião cai ao tenar pousar no campo de marte

Governador João Dória pede fim do aeroporto da zona norte de São Palo, após acidente que vitimou o piloto Paulo Magalhães Pereira.

Cristina Barroso
R7
You Tube

Dória reafirmou sua defesa ao fechamento do Aeroporto Campo de Marte localizado na zona norte de São Paulo, onde deveria  permanecer em operação somente para pouso e decolagem
de helicópteros.

ACIDENTES COM AERONAVES PEQUENAS MARCAM O CAMPO DE MARTE

Em 30 de novembro de 2018 o avião Cessna 210N caiu no bairro de Casa Verde, matando o piloto, e a outra em 29 de julho, quando houve a morte do piloto e seis pessoas ficaram feridas.

Em 19 de março de 2016, a aeronave experimental do empresário Roger Agnelli caiu log 
depois de decolar do Campo de Marte. Na ocasião, houve seis mortos, incluindo o empresário, a mulher Andrea, os dois filhos do casal, Ana Carolina e João, o genro de Agnelli, Parris Bittencourt, e sua namorada.

Em 27 de março de 2016, um avião da FAB (Força Aérea Brasileira) tombou e duas pessoas tiveram ferimentos leves, um instrutor e uma aluna. Segundo a FAB, o vento forte do dia pode ter feito a aeronave tombar.

Em 4 de novembro de 2007, um avião executivo caiu sobre quatro casas no bairro da Casa Verde. O acidente aconteceu por volta das 14h15 e houve oito mortes. Foram quatro homens, três mulheres e um bebê de nove meses.

Esse aeroporto já foi palco de inúmeros acidentes e por ter sua localização dentro de uma área urbana, é motivo de preocupação dos moradores locais.

 A POLÊMICA

Diversos governantes, no passado, prometeram estudar o fechamento do Campo de Marte.
O governo Jair Bolsonaro incluiu o local no plano federal de privatizações, com leilão previsto para o segundo semestre de 2022.

O prefeito Bruno Covas (PSDB), entretanto, cobrou da União no início do ano passado o cumprimento da promessa do governo anterior, de transformar o aeroporto em museu e parque.

Em agosto de 2017, por exemplo, o então prefeito e hoje governador de São Paulo, João Doria (PSDB), firmou com o então presidente Michel Temer acordo sobre o local. A União se comprometeu a ceder 400 mil m² do terreno ao Município para um projeto que incluiria um museu aeroespacial, um parque e, por último, o fim das operações de aviação executiva.

Após encontro com Temer, Doria anunciou o fim das operações do terminal para 2020. Ele defendeu ainda a desativação da pista, dizendo que vários aeroportos funcionais em implementação no entorno da capital poderiam substituir o Campo de Marte, que ficaria só com a aviação de helicópteros.

Os antecessores Gilberto Kassab, José Serra e Celso Pitta também cogitaram transformar a área em parque. O principal problema é que o espaço é gerido pela Aeronáutica e Infraero, ligados ao Ministério da Defesa, que briga na Justiça desde 1958 com São Paulo pelo terreno.

O ACIDENTE

O avião decolou de Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, com destino ao aeroporto de Campo de Marte, localizado em Santana, na zona norte.

De acordo com testemunhas, o avião perdeu altitude, tentou arremeter, mas logo em seguida despencou e por pouco não atingiu os carros e pessoas que caminhavam e andavam de bicicleta na ciclovia.

Uma testemunha que passava pelo local afirmou à Record TV que viu a queda da aeronave e quase foi atingido. Ele sofreu uma queimadura na mão, após o avião explodir. Sete viaturas do Corpo de Bombeiros foram enviadas para o local do acidente. O fogo na aeronave foi apagado meia hora depois.
 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »