09/07/2020 às 17h30min - Atualizada em 09/07/2020 às 17h30min

Kayleigh McEnany dispara: ''A CNN passou mais de 90 minutos anunciando o estudo que agora está desmembrado''

Declaração ocorreu nesta quinta-feira, durante um briefing

Kaio Lopes
FOX NEWS
Kayleigh McEnany, secretária de imprensa da Casa Branca (REPRODUÇÃO)

Na manhã desta quinta-feira, 09, durante uma entrevista na Casa Branca, a secretária de imprensa, Kayleigh McEnany, se posicionou contra a cobertura realizada pela CNN a respeito da utilização da hidroxicloroquina no tratamento da COVID-19. Ao ser questionada sobre um relatório divulgado pelo Sistema de Saúde Henry Ford, em Michigan, estudo este que descobriu haver menos propensão de morte em caso de aplicação precoce do medicamento em pacientes internados, ela destacou o ênfase dado pelos partidários midiáticos na tentativa de descartar esta hipótese de tratamento para simplesmente prejudicar o governo Trump e torná-lo irresponsável, ainda que o presidente sempre tenha tido cautela na orientação, afirmando constantemente haver a necessidade de administração da droga apenas sob prescrição médica.

Em seguida, na contrapartida de Kayleigh, o repórter mencionou que a FDA (Food and Drug Administration), órgão que regulamenta a legalidade de produtos dentro dos EUA, afirma ser ineficaz a utilização da hidroxicloroquina, e questionou: ''Então, o que o povo americano deveria pensar? Qual é a posição oficial da administração sobre essa possível terapia?''. Ao que McEnany respondeu: ''O presidente sempre disse que vê a hidroxicloroquina como um profilático muito promissor, mas que todas as pessoas não devem tomá-lo, a menos que obtenham uma receita médica, isso é primordial, muito importante. O presidente tomou isso como profilático''.

A secretária, então, reiterou os erros da imprensa e destacou, entre outras coisas, o sensacionalismo da CNN na divulgação do estudo divulgado pela revista Lancet, este último descartado pela OMS após ausência de indícios e fundamentos que o sustentasse: ''A CNN passou mais de 90 minutos anunciando o estudo que agora está desmembrado'' e ainda fez menção ao fato da rede de televisão ter divulgado, via Twitter, o estudo favorável à posição de Donald Trump, finalizando: ''Portanto, nossa posição é onde sempre estivemos, onde o presidente estava há semanas e semanas antes da publicação do estudo. Era um medicamento promissor, mas só deveria ser tomado após consulta médica''. 
 

A CNN chegou a ser questionada pela NewsBusters, mas, até o momento, não respondeu. 

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você votaria em Bolsonaro para Presidente em 2022?

80.8%
19.2%