08/09/2020 às 00h03min - Atualizada em 08/09/2020 às 00h03min

O que pensam os manifestantes que estiveram na Paulista no dia 7 de setembro

Vinicius Mariano
Os manifestantes na avenida Paulista, em São Paulo, no início da manifestação
O Tribuna Nacional esteve nas manifestações que ocorreram nesta segunda-feira, 7 de Setembro, na avenida Paulista, em São Paulo, capital, para conversar com os manifestantes a respeito do governo Bolsonaro e do cenário político brasileiro atual. Para a maioria dos entrevistados, o presidente está fazendo um bom governo e o STF é o maior inimigo do país, devido aos excessos de interferência no poder Executivo e pelo inquérito das Fake News. Os manifestantes também reclamaram da ausência de candidatos a prefeito em suas cidades, que são, nas palavras deles, redutos do PSDB.

Para Malena, o PT falhou em ajudar o Norte e Nordeste, pois não fez o que devia ser feito e deixou muitas obras paradas. "São Paulo anda sozinho. O Norte e Nordeste precisam de ajuda governamental federal e o PT falhou nisso. Mas Bolsonaro está terminando as obras importantes que estavam paradas nessas regiões em menos de dois anos".

Já para o libertário Paulo Kogos, Bolsonaro foi uma providência divina capaz de representar alguma resistência contra organizações globalistas. "Se fosse o Haddad, nós estaríamos numa situação pior, apesar de eu ter algumas críticas ao presidente também". Kogos também fez críticas ao partido Novo e seu falso liberalismo: "o partido Novo foi um cavalo de tróia para perverter o movimento libertário e fazer com que os liberais passassem a apoiar uma agenda progressita e o Novo mostrou sua verdadeira face apoiando o que há de pior: a ditadura chinesa e a quarentena, além de quererem taxar igrejas e restringir o armamento, que não consideram primordial, mas se a população estivesse armada, nós não teríamos essa ditadura".

Ana, moradora da zona norte da capital, disse que está amando o governo: "ele está desenvolvendo o Norte e o Nordeste com as estradas e ferrovias, com a transposição do rio São Francisco, que levou água para pessoas que não tinham".

Os manifestantes também fizeram elogios à atuação da deputada Carla Zambelli, do deputado Douglas Garcia e sua equipe, bem como criticaram o Senador Major Olimpio, que se elegeu às custas do presidente, mas que hoje o abandonou e por isso foi chamado de traidor. "Major Olímpio traiu São Paulo, traiu a mim", disse Malena, que mora no ABC.

Dificuldade em escolher o prefeito
Os manifestantes entrevistados das diferentes cidades da região metropolitana de São Paulo, bem como os da capital em si, reclamaram da falta de opções para prefeito em seus Municípios. Todos os entrevistados disseram que suas cidades são redutos tucanos e que há pouco ou nenhum candidato que estaria de acordo com as pautas conservadoras. É o caso de Rafael, morador de Barueri, que disse que sua cidade é um monopólio PSDB, assim como São Paulo, e que vai votar no candidato Júlio Leal, que tem apoio do Movimento Conservador. Já em São Paulo, capital, os manifestantes se dividiram entre Antônio José Ribas Paiva (PTC) e Levy Fidelix (PRTB). Nenhum dos entrevistados considerou votar no atual prefeito, Bruno Covas (PSDB).

Aliança pelo Brasil
A equipe do Tribuna também conversou com os voluntários que estavam em multirão coletando assinaturas para a criação do partido do presidente, o Aliança pelo Brasil. Segundo Silvio Malheiro Júnior, a coleta das assinaturas começou muito forte entre dezembro e janeiro, mas os voluntários tiveram que parar um pouco no meio do ano em virtude da pandemia e da quarentena, que modificaram as relações sociais no país de norte a sul. No entanto, a coleta de assinaturas voltou no mês de agosto e já há um número significativo, que não se sabe exatamente de quanto, mas que os apoiadores estimam em torno dos 300 mil. A previsão dos voluntários é que até na metade de 2021 já tenham sido coletadas o número necessário de fichas para a criação do Aliança.

A ficha também pode ser preenchida online, no site do partido em criação, impressa e enviada para a caixa postal do respectivo estado, a qual pode ser consultada também no site do Aliança.

Voluntário
Os multirões para assinatura das fichas são organizados por voluntários, geralmente em eventos de apoio ao Presidente, como as manifestações do dia 7. Se alguém tiver interesse em ser voluntário, deve fazer o cadastro clicando neste link e seguir os passos indicados no site.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »