29/08/2020 às 18h36min - Atualizada em 29/08/2020 às 18h36min

Governo arrecada R$ 505 milhões com leilão de concessões no Porto de Santos

Vinicius Mariano
O governo federal arrecadou, nesta sext-feira (28), R$ 505 milhões ao leiloar duas áreas no Porto de Santos (SP) para movimentação de celulose. As vencedoras do leilão foram a Eldorado Celulose e a Bracell Celulose. As concessões têm validade de 25 anos. O certame foi promovido pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

O leilão das duas áreas foi decidido em lances a viva voz que superaram consideravelmente as propostas iniciais pelos lotes. A Eldorado Celulose venceu as disputas para as duas áreas, mas há uma limitação no edital que não permite a mesma empresa ficar com as duas concessões. Assim, ao final, a companhia optou pela área chamada de STS14. A empresa fez uma oferta inicial de R$ 110 milhões pelo lote. Porém, teve que elevar o valor até R$ 250 milhões para conseguir arrematar a concessão.

As áreas
O contrato da STS14 prevê investimentos de R$ 186,9 milhões, com a demolição de estruturas e a pavimentação para tráfego de veículos de carga. Deverá ainda ser instalado um ramal ferroviário de 600 metros e construído um armazém de aproximadamente 24 mil metros quadrados. A nova concessionária precisará também reforçar os 309 metros de cais e fazer a dragagem para aprofundar o espaço dos navios. A receita bruta do contrato é de R$ 2,190 bilhões e estima a movimentação de até 2,0 milhões de toneladas por ano.

A Bracell Celulose ficou com a área STS14A, com um lance de R$ 255 milhões, sendo que tinha oferecido inicialmente R$ 100 milhões. O valor também teve que ser aumentado na etapa de disputa direta entre os concorrentes. Estão previstos investimentos de R$ 193 milhões, com a expectativa que sejam movimentadas até 2,6 milhões de celulose por ano. São 45,1 mil metros quadrados onde a empresa deverá investir em pontes rolantes para descarregar as cargas de trens, na instalação de 670 metros de ramal ferroviário e um armazém com cerca de 30 mil metros quadrados.

Avaliação do governo
Após o leilão, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, destacou a importância do edital do leilão impedir que a mesma empresa adquirisse as duas áreas, mantendo a concorrência dentro do porto. “Vendo resultado do leilão hoje vejo que foi uma decisão acertada”, enfatizou sobre a norma que impediu que a Eldorado ficasse com os dois lotes.

O ministro disse ainda que os recursos arrecadados com o leilão ajudam a preparar o Porto de Santos para a privatização. “É fôlego para a resolução de passivos, para realização de investimentos, para desligamentos e enxugamento da companhia. É a preparação que nós estamos fazendo para a desestatização que vai ser um marco no setor portuário brasileiro”.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »