21/06/2022 às 16h04min - Atualizada em 21/06/2022 às 16h04min

“Teoria da conspiração” CONFIRMADA: COVID Jabs 'AUMENTAM o risco de infecção' – confirma estudo oficial

Um estudo oficial publicado pelo New England Journal of Medicine descobriu que pessoas espetadas correm maior risco de contrair Covid-19 do que suas contrapartes não espetadas.

Luiz Custodio
Noqreport
Este estudo foi enorme em escala, analisando dados coletados de mais de 100.000 pessoas infectadas pela variante Omicron.

Relatórios Noqreport.com : Aqui estão os pontos principais:

 
  • Aqueles que foram “totalmente vacinados” com duas vacinas da Moderna ou Pfizer são mais propensos a contrair Covid-19 do que aqueles que não foram vacinados
  • As injeções de reforço oferecem proteção aproximadamente igual à imunidade natural, mas os benefícios diminuem após 2-5 meses
  • A imunidade natural dura pelo menos 300 dias, que é a duração do estudo; provavelmente dura muito mais

Isso está de acordo com a narrativa atual vinda da Big Pharma e seus asseclas no governo e na mídia corporativa de que os golpes devem mitigar os efeitos. Mas mesmo essa afirmação foi questionada, pois estudos recentes indicam que os vacinados podem estar morrendo ainda mais do que os não vacinados. De acordo com a  Exposé :

O governo do Canadá confirmou que a população vacinada é responsável por 4 em cada 5 mortes por Covid-19 ocorridas em todo o país desde meados de fevereiro de 2022, e 70% dessas mortes ocorreram entre a população triplamente vacinada.

Apesar da abrangência do estudo e da credibilidade da fonte, ele não receberá atenção da mídia corporativa. É imperativo que nossos leitores divulguem, porque este é um destruidor de narrativas absoluto para a Big Pharma. Agora, mais do que nunca, devemos alertar as pessoas sobre a verdade, porque estamos prestes a ver milhões de crianças com menos de cinco anos injetadas.

A boa notícia é que vimos mais pessoas vacinadas se tornando receptivas à verdade. Isso é anedótico, com base no que estou vendo online e na correspondência que recebo, mas acredito que há mais pessoas que estão se tornando céticas em relação à pressão desequilibrada dos governos por vacinas universais. Se pudermos compartilhar mais notícias que os impeçam de serem estimulados e, mais importante, impedi-los de espetar seus filhos, então é um esforço que vale a pena.

Se isso é, como acredito, parte de um plano nefasto para controlar as pessoas e decretar a agenda de despovoamento das elites globalistas, então cabe a nós evitar que o maior número possível de pessoas seja impulsionado. A ciência parece indicar que mais tiros significam mais danos, então limitar a exposição é importante. Vamos precisar de aliados se as coisas continuarem por esse caminho. Quanto menos americanos viciados em reforço, melhor.

Aqui estão os detalhes sobre o estudo de notícias publicado no New England Journal of Medicine em um artigo de Marina Zhang de nossos parceiros de notícias premium no  Epoch Times :

Vacinação aumenta risco de COVID-19, mas infecção sem vacinação dá imunidade: estudo

Tomar duas doses de uma vacina COVID-19 tem sido associado à proteção negativa contra a doença, dizem os cientistas, enquanto uma infecção anterior sem vacinação oferece cerca de 50% de imunidade, de acordo com um estudo que analisa a onda Omicron no Catar.

O estudo, publicado no New England Journal of Medicine  em 15 de junho, examinou a onda Omicron no Catar que ocorreu por volta de dezembro de 2021 a fevereiro de 2022, comparando as taxas de vacinação e imunidade entre mais de 100.000 indivíduos infectados e não infectados por Omicron.

Os autores do estudo descobriram que aqueles que tiveram uma infecção anterior, mas sem vacinação, tiveram uma imunidade de 46,1 e 50% contra as duas subvariantes da variante Omicron, mesmo em um intervalo de mais de 300 dias desde a infecção anterior.

No entanto, indivíduos que receberam duas doses da vacina Pfizer e Moderna, mas não tiveram infecção anterior, foram encontrados com imunidade negativa contra as subvariantes BA.1 e BA.2 Omicron, indicando um risco maior de contrair COVID-19 do que uma pessoa média.

Mais de seis meses após receber duas doses da vacina da Pfizer, a imunidade contra qualquer infecção por Omicron caiu para -3,4%. Mas para duas doses da vacina Moderna, a imunidade contra qualquer infecção por Omicron caiu para -10,3% após mais de seis meses desde a última injeção.

Embora os autores tenham relatado que três doses da vacina da Pfizer aumentaram a imunidade para mais de 50%, isso foi medido pouco mais de 40 dias após a terceira vacinação, que é um intervalo muito curto. Em comparação, a imunidade natural persistiu em cerca de 50% quando medida mais de 300 dias após a infecção anterior, enquanto os níveis de imunidade caíram para valores negativos 270 dias após a segunda dose da vacina.

Esses números indicam um risco de diminuição da imunidade para a terceira dose da vacina com o passar do tempo.

As descobertas são apoiadas por outro estudo recente de Israel que também descobriu que a imunidade natural diminuiu significativamente mais lentamente em comparação com a imunidade artificial ou vacinada. O estudo descobriu que a imunidade natural e artificial diminuiu com o tempo.

Indivíduos previamente infectados, mas não vacinados, tiveram metade dos riscos de reinfecção em comparação com aqueles que foram vacinados com duas doses, mas não infectados.

“A imunidade natural vence novamente”, escreveu o Dr. Martin Adel Makary, pesquisador de políticas públicas da Universidade Johns Hopkins, no Twitter, referindo-se ao estudo israelense.

“Entre as pessoas que haviam sido previamente infectadas com SARS-CoV-2, a proteção contra a reinfecção diminuiu à medida que o tempo aumentou”, concluíram os autores, “no entanto, essa proteção foi maior” do que a proteção conferida no mesmo intervalo de tempo por meio de duas doses do vacina.

 


Angelina Jolie admite ter 'rituais de sangue horríveis dos Illuminati'
As pessoas não têm 'o direito absoluto de possuir propriedade privada', diz procurador-geral canadense
Lembra quando o adrenocromo era uma “teoria da conspiração”? Agora é conspiração FATO na forma de “transplantes de jovens”
California House aprova lei de “infanticídio” que legaliza o assassinato de bebês recém-nascidos 7 dias ou mais após o nascimento
Vídeo microscópico de bioestruturas projetadas removidas de vasos sanguíneos

 


 

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 

GETTR


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.