27/05/2022 às 15h46min - Atualizada em 27/05/2022 às 15h46min

Alemanha processa pastor cristão por posição bíblica sobre homossexualidade (vídeo)

“Enquanto hoje se trata de uma visão encontrada na Bíblia, amanhã será sobre qualquer outra opinião.”

Luiz Custodio
RUMBLE

O pastor evangélico Olaf Latzel foi absolvido de discurso de ódio contra homossexuais por um tribunal alemão depois de tê-lo considerado culpado em 2020. As acusações decorrem de declarações que o pastor conservador de 54 anos da congregação Bremen St. Seminário de casamento de 2019 em sua Igreja. Um vídeo do seminário foi postado meses depois em seu canal no Youtube e depois deletado. A comunidade LGBTQ o acusou de sedição por falar a palavra de Deus.

Fundo

Um tribunal de Bremen, na Alemanha, já havia condenado o pastor por discurso de ódio contra homossexuais em 2020. Ele foi multado em 8.100 euros e prometeu recorrer da sentença.

O tribunal disse que o pastor promoveu ódio contra homossexuais e violou sua dignidade no seminário sobre casamento em que abordou as atividades do que chamou de “homolobby”.

Falando para cerca de 30 casais, ele disse em um ponto: “Por toda parte, os criminosos do Christopher Street Day [a Marcha do Orgulho de Berlim]. Toda essa porcaria de gênero é um ataque contra a ordem de criação de Deus; é demoníaco e satânico”.

O pastor afirmou que a homossexualidade é “uma 'forma degenerativa' da sociedade”. Latzel alertou que “toda a porcaria de gênero é um ataque à ordem de criação de Deus”. 

 

 

No processo, a defesa de Latzel disse que esses pontos de vista eram baseados na Bíblia e se referiam à homossexualidade e a ativistas LGBT violentos e não a pessoas homossexuais.

O juiz o rejeitou, considerando que “a orientação homossexual de uma pessoa faz parte de sua personalidade”.

O advogado de Latzel disse que a sentença é uma “catástrofe”. Ele descreveu isso como “a abertura de uma porta para restringir a liberdade de expressão” e acrescentou que “enquanto hoje se trata de uma visão encontrada na Bíblia, amanhã será sobre qualquer outra opinião”.

Veredito

O tribunal decidiu que o pastor Latzel não agiu intencionalmente e atacou conceitos sociais com suas palavras, não pessoas específicas. Portanto, ele não incitou o ódio, disse o juiz presidente Hendrik Göhner em seu veredicto.

As declarações de Latzel foram abrangidas pela liberdade de religião e liberdade de expressão. O juiz presidente Hendrik Göhner enfatizou que Latzel havia argumentado a partir da Bíblia. O estudioso bíblico católico Ludger Schwienhorst-Schönberger, que testemunhou no processo como especialista, também viu assim.

O veredicto ainda não é juridicamente vinculativo. O Ministério Público, que exigiu a confirmação da condenação de Latzel no primeiro julgamento, ainda pode recorrer da decisão do tribunal.
 



Bill Gates executou o jogo de guerra que simulou a pandemia global de Monkeypox matando milhões
CEO da Pfizer anuncia microchips rastreáveis ​​em pílulas para inaugurar a 'Nova Ordem Mundial'
A corrupção da OMS é a maior ameaça à saúde pública mundial do nosso tempo
Denunciante da ONU: “Monkeypox é uma arma biológica”
EUA compram milhões de vacinas contra Monkeypox após um caso confirmado em Massachusetts
O raro vírus Monkeypox chega, assim como Gates e a OMS 'previram' - vacinas 'milagrosamente' prontas
MEDO POR NOVA DOENÇA CHAMADA MONKEYPOX já leva clínicas do Reino Unido a trazer de volta o distanciamento social
 
 

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 

ESTAMOS NO GETTR


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.