08/05/2022 às 16h13min - Atualizada em 08/05/2022 às 16h13min

Tráfico de órgãos: como funciona o turismo de transplante

Surge o “turismo de transplante” no qual pessoas da Europa, EUA compram pacotes com o órgão e a operação em países onde a fiscalização é menor e a corrupção, maior.

Cristina Barroso
ApureGuria.com
(REPRODUÇÃO)
Um coração no mercado clandestino pode valer até um milhão de dólares. Um pâncreas ou fígado 500 mil. O tráfico de orgãos é uma das atividades criminosas mais lucrativas do mundo com mais de um bilhão de dólares ao ano.

Os rins correspondem a 75% do tráfico de órgãos. Segundo o WHO, mais de 10 mil operações são feitas anualmente, mais de uma por hora.
E assim também surge o “turismo de transplante” no qual pessoas da Europa, EUA compram pacotes com o órgão e a operação em países onde a fiscalização é menor e a corrupção, maior. Assista o vídeo!

 

Quando encontrei um transportador de rins durante a viagem

Quando eu viajei para o Atacama em 2016, conheci um brasileiro que contou uma história muito diferente. Ele disse que fez transporte de órgãos humanos. Levava rins em caixas especiais em voos do Brasil para a Bolívia e Peru, onde seriam realizadas as cirurgias de transplante em americanos e canadenses. Cada viagem ele ganhava 10 mil reais. Ele só parou porque desconfiaram das suas visitas frequentes e o torturam por semanas para tentar descobrir a rede do tráfico.

Naquela época eu nem acreditei, porque afinal, quem que contaria um negócio desses em volta de uma fogueira né. Também imaginei a quantidade de pessoas envolvidas e subornadas nos aeroportos, companhias aéreas para que um órgão humano fosse transportado, especialmente de um país para outro.

E seria coisa rápida já que um rim por exemplo aguenta de 24 a 36 horas se devidamente armazenado com gelo e soluções que o preservem num bom estado. Segundo o site Live Science, outros órgãos aguentam menos como pulmões de 6 a 8 horas, fígados 12 e um coração de 4 a 6 horas.

Como é feito o transporte de órgãos doados legamente no Brasil

90% do transporte de órgãos humanos para transplantes legais são realizados pelas companhias aéreas brasileiras sem ônus desde 2001, uma parceria feita com o Ministério da Saúde. A Força Aérea Brasileira também ajuda nesse tipo de missão desde 2016.

Então para que fosse transportado, o órgão deveria ter documentação falsificada e alguém corrupto na companhia e nos aeroportos pra que isso fosse possível.

Como funciona o tráfico de órgãos

Os traficantes enganam pessoas de países pobres, como Índia, Nepal, Filipinas, China e há várias táticas.

Atrair “vendedores”

Muitos falam que o rim vai crescer de novo ou que um é suficiente para viver. Alguns até fazem propaganda “doe um rim, compre um ipad” Prometem 2500 a 1000 dólares mas pagam menos que isso. Normalmente os sobreviventes tem sequelas graves.
Em 2003 vários brasileiros saíram de Recife para a África do Sul para vender rins a europeus, americanos e israelenses por 3 a 10 mil dólares.

Exame completo antes de trabalhar

Outra tática é um exame completo para começar um emprego novo numa fazenda por exemplo. Os novos funcionários são enviados a um hospital no qual passam por exames, são anestesiados e tem seus órgãos removidos sem consentimento.

Crianças em hospitais

Também há casos de crianças que vão parar nos hospitais por causa de acidentes e acabam sendo assassinadas por médicos para a vender seus órgãos. A família consente na “doação de õrgãos” mas na verdade a lista de receptores não é a legalizada, é outra. Como mostra essa reportagem do Telegraph.

Sequestros e tráfico humano

As pessoas são traficadas e tem seus órgãos roubados, como alguns filmes retratam de forma aterrorizante. O primeiro caso registrado no Reino Unido foi de um menino de 12 anos que foi sequestrado e teria seus órgãos vendidos.
Em 2004 um britânico na Sérvia foi morto, teve o coração e pancreas removidos e armaram uma cena de overdose.

Quem compra os órgãos: turismo de transplante

Normalmente quem compra esses órgãos são pessoas do Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha, Austrália, Itália, Canadá entre outros, sendo Israel o país com maior número de compradores por capita. Os pacotes incluem o órgão, no caso um rim, e o transplante no valor de 40 mil a 90 mil dólares dependendo o país.

Claro que nem sempre há segurança no procedimento, muitas vezes os órgaos podem vir doentes com HIV e o paciente pode ter complicações e infecções no hospital local. Essas operações ilegais são realizadas no Peru, Filipinas, Índia, Paquistão, Moldávia, Ucrânia, Turquia, África do Sul e Brasil.

Onde é permitida a venda de órgãos

O venda de órgãos humanos é reconhecido como crime na maioria dos países com exceção do Irã, no qual o estado dá 300 libras para o doador e um ano de seguro médico.. mas a maioria das doações são feitas em transações privadas, como aponta o The Guardian.

Como não se tornar uma vítima

Como eu já havia falado nesse artigo sobre tráfico humano, é preciso desconfiar de tudo pois os criminosos agem em todo lugar.

Não caia na conversa de gringos no Facebook e aplicativos de idiomas que querem casar com você, que pagam a passagem para a Europa e uma vida dos sonhos… Acredita que alguns até pedem exames antes de você ir?

Tenha muito cuidado com sua bebida em bares e festas, muitas vezes podem colocar drogas nos drinks sem que você perceba. Prefira bebidas de garrafas e que sejam abertas na sua frente ou por você mesma.

 
Evite viajar sozinha durante a noite com companhias de ônibus que não são muito conhecidos. Tente viajar com empresas mais famosas como a Flixbus. Neste artigo há mais empresas: Viajar de ônibus pela Europa

É muito importante não confiar em ninguém que oferece trabalhos que pagam muito acima da média em outro país, mesmo que sejam conhecidos da família. Você precisa conhecer muito bem essa pessoa e durante anos para pensar nessa possibilidade.

Confirme se a empresa existe no mapa, fotos, telefone, informações do contrato…e também se pedem exames médicos!
Espero que tenha gostado de ler este artigo sobre tráfico de órgãos e não desista do seu sonho de viajar, apenas vá com muita atenção e se cuide.

 

ATERRORIZANTE: Ex-policial relata a industrialização da extração de órgãos de jovens prisioneiros na China

Comércio de extração de órgãos da China revelado por estudo que afirma que prisioneiros vivos são usados ​​para transplantes

Estudo da Pfizer: ingrediente-chave encontrado em jabs grudam em órgãos como cola

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 


ESTAMOS NO GETTR




Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.