04/05/2022 às 21h02min - Atualizada em 04/05/2022 às 21h02min

Novo Exército de Hitler: Muçulmanos marcham pela Jihad contra judeus e Israel em Berlim, mídia atacada

A polícia não respondeu aos pedidos de ajuda dos jornalistas, mas removeu um jornalista a pedido do organizador antissemita do evento.

Luiz Custodio
rairfoundation

Nos últimos dias, muçulmanos antissemitas se revoltaram e atacaram a polícia durante manifestações anti-Israel em Berlim, Alemanha. Cento e sessenta policiais estavam de serviço. Pedras foram lançadas e dezenas de jornalistas foram atacados e feridos. A polícia optou por não ajudar os jornalistas atacados, mas os expulsou do evento. Em um comunicado após a manifestação violenta, o organizador “Palestine Speaks” afirma que não está ciente do tratamento violento e abusivo de jornalistas ou observadores.

“Palestine Speaks” apoia o movimento fundamentalmente antissemita de Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS), que quer destruir a economia israelense com esforços de boicote e se apresenta como uma “coalizão pelos direitos palestinos e contra todas as formas de racismo”. A associação se apresenta como parceira de um meio de esquerda, anticapitalista, antiimperialista e antirracismo, usando táticas e linguagem de esquerda para encobrir suas intenções essencialmente militares de destruição de Israel.

Cânticos genocidas contra os judeus

Muçulmanos do grupo estavam envoltos em seus lenços de guerra palestinos (keffiyehs), que muitos acreditam ser o equivalente moderno da suástica nazista enquanto entoam cânticos islâmicos antijudaicos genocidas. Por exemplo, multidões gritavam: “Do rio ao mar, a Palestina será livre”, este é o código para erradicar o Estado de Israel e seus milhões de judeus.

Durante a procissão de manifestação, podiam ser ouvidos cânticos em homenagem à organização terrorista Hamas ou pedindo a aniquilação do Estado de Israel, como “Pare as armas, pare a guerra, intifada até a vitória”. A primeira (1987) e a segunda intifada (2000) descrevem revoltas violentas e terrorismo contra judeus israelenses. Ataques com bombas e armas, entre outras coisas, foram cometidos durante as duas intifadas. A chamada “Intifada até a vitória” é dirigida contra o direito de existência de Israel.

O slogan “Do rio ao mar, a Palestina será livre”, que foi muitas vezes gritado no sábado, também pede a aniquilação de Israel. O rio significa o rio Jordão, que corre a leste do território de Israel, e o mar significa o Mar Mediterrâneo, que faz fronteira com Israel a oeste. O slogan nega o direito de Israel de existir como um estado judeu protetor. Os manifestantes também gritaram o slogan "Assassino de crianças Israel" no sábado. Não é coincidência que o slogan seja uma reminiscência do libelo de sangue medieval, um antigo conto de conspiração antijudaico.

Os investigadores estão agora avaliando o material de vídeo. Além disso, houve tumultos em um comício pró-palestino semelhante na noite de sexta-feira.

Na manifestação pró-Palestina no meio de Berlim, imigrantes muçulmanos gritaram “Merda de judeus!” e “Vocês judeus sujos!”. As crianças podem ser vistas nas multidões anti-semitas. É normal que muitos grupos terroristas muçulmanos doutrinem crianças em tenra idade para fazer a jihad contra judeus e Israel.

No meio do protesto, jovens islâmicos do sexo masculino gritaram saudações ao porta-voz do Hamas, Abu Obeida. “Samidoun”, uma organização terrorista em Israel. O nome do grupo terrorista islâmico foi representado em uma bandeira carregada pelos jihadistas:

 

 

Ataque à liberdade de expressão – Hostilidade em relação à imprensa: 'Judeu sujo '

Toda a manifestação foi marcada por extrema hostilidade em relação à imprensa. Os jornalistas foram repetidamente insultados e atacados. Eles foram chutados, empurrados, espancados e cuspidos, explicou o jornalista alemão Jörg Reichel, do dju, que observou cinco manifestações pró-Palestina nas últimas duas semanas. 

No sábado, representantes da mídia foram repetidamente insultados com insultos antissemitas, como “judeus sujos” e “sionistas”. A polícia muitas vezes não respondeu aos pedidos de ajuda dos jornalistas. A pedido do organizador do “Palestine Speaks”, um representante da imprensa foi convidado pela polícia a sair por causa de supostas provocações. Reichel explica que no sábado, “o limiar de inibição para a violência foi chocantemente baixo no sábado, enquanto ao mesmo tempo a solidariedade com os perpetradores era grande. Este é um grande problema, e temos que nomeá-lo e trabalhar nele.” Esse humor agressivo em relação aos jornalistas tem “uma nova qualidade”, explica o jornalista.

Veja o seguinte exemplo de um jornalista sendo convidado a deixar o protesto. O organizador pró-palestino, envolto em seu lenço de guerra, pode ser visto discutindo com um jornalista. A polícia responde expulsando o jornalista:



No domingo, a polícia de Berlim anunciou que havia iniciado vários processos criminais contra os participantes da manifestação, inclusive por violações particularmente graves da paz, lesões corporais perigosas e incitação ao ódio. De acordo com a polícia, os funcionários tiveram cartazes e postes de madeira jogados contra eles. Dois suspeitos foram presos no local. As investigações sobre outros suspeitos estão em andamento. Após o término da manifestação, houve uma briga em massa entre os ex-participantes.

Organizadores culpam a mídia

Após a manifestação violenta, a associação islâmica antissemita “Palestine Speaks”, “Palestine Speaks”, publicou um comunicado. No entanto, eles não se distanciam dos apelos antissemitas nem da violência que emanou dos participantes da manifestação. Em vez disso, a associação falou de um “cenário de mídia racista de direita”, ou seja, “os porretes e armas das forças de ocupação israelenses”. “Para esses chamados ‘jornalistas’ racistas, a liberdade de imprensa significa apenas a liberdade de oprimir e caluniar a nós palestinos.”

Não é de surpreender que os migrantes muçulmanos não apoiem uma imprensa livre. Os países islâmicos de onde vem a maioria dos migrantes na Alemanha não acreditam na liberdade de imprensa ou na 'liberdade de expressão'. A lei islâmica é incompatível com a verdadeira democracia. É um sistema teocrático com Alá sozinho à frente. Um corpo governante de clérigos interpreta a lei de Allah. Não há espaço para um sistema político secular onde todas as pessoas sejam tratadas como iguais perante a lei.

Fronteiras abertas Alemanha

Os atuais atos de violência e apelos à jihad contra os judeus na Alemanha e na Europa são uma prova do fracasso do multiculturalismo e da migração islâmica em massa. Além disso, as políticas de fronteiras abertas dos globalistas, fortemente apoiadas pela mídia legada, tornam a vida na Europa cada vez mais inviável para as populações não-muçulmanas.

A ex-chanceler de esquerda Angela Merkel recebeu quase dois milhões de pessoas de alguns dos países mais antissemitas para imigrar para a Alemanha. Como resultado, não é surpreendente que o povo judeu esteja sendo atacado, ameaçado e assassinado em toda a Alemanha. Apesar dos apelos da comunidade judaica para parar de importar o antissemitismo islâmico, os líderes de esquerda e sua mídia lutam para silenciar e processar qualquer pessoa que exponha o problema.

A Alemanha tem uma longa história de esquerdistas que odeiam judeus colaborando com muçulmanos que odeiam judeus. Infelizmente, essa história é algo que a Alemanha fez um grande esforço para apagar de seu passado.

Se a Alemanha não reverter o fluxo de refugiados que chegam ao seu país, judeus, cristãos, mulheres, gays e não-muçulmanos continuarão a ver sua segurança e liberdades se desgastarem.


43.898 MORTOS, mais de 4 milhões de feridos após vacinas COVID-19 no banco de dados europeu

+ Os CFOs da Pfizer e da Moderna renunciaram esta semana – Apagão da mídia

+ Alto número de AVCs causados ​​pelas vacinas Covid-19 pode explicar por que tantos vacinados também estão ficando cegos

Pfizer oferece a médico US $ 1 milhão em dinheiro: 'É assim que eles silenciam você, colocam você na folha de pagamento' (vídeo)

MÉDICO BATE O MARTELO: 'picadas de mRNA causando câncer, coágulos, inflamações cardíacas'

+
 Aviso: Elon Musk está fornecendo aos globalistas tecnologia para controlar nossas mentes (Assista)

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 

ESTAMOS NO GETTR


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.