17/01/2022 às 09h21min - Atualizada em 17/01/2022 às 09h21min

BLACKOUT NA MÍDIA: China proíbe cidadãos americanos de deixar o país

A China está proibindo as pessoas de saírem do país, incluindo cidadãos e residentes permanentes dos EUA, segundo relatos.

Luiz Custodio
theepochtimes.com
Ao longo de 2021, muitos denunciantes chineses compartilharam nas redes sociais suas dificuldades ao solicitar passaportes. Para aqueles que tinham passaportes, durante as inspeções de saída nos aeroportos, os funcionários os interrogavam e verificavam cuidadosamente seus passaportes e vistos – muitas vezes resultando na recusa de deixar o país com funcionários destruindo os passaportes.

 

A Administração Nacional de Imigração da China (NIA) confirmou em julho que o regime comunista estava endurecendo as regras sobre as pessoas que deixam o país.

Relatórios do Theepochtimes.com : Em uma coletiva de imprensa em 30 de julho de 2021, a NIA, também conhecida como Administração de Saída e Entrada, disse que, em um esforço para bloquear o coronavírus do exterior, implementou uma série de medidas rigorosas para limitar a entrada de pessoas. no exterior: suspender a emissão de passaporte comum para assuntos não essenciais e não urgentes; e aconselhar os candidatos a cancelar ou adiar planos de viagem se não forem essenciais ou urgentes.


VEJA TAMBÉM: Por que os muros de concreto estão sendo construídos ao redor da Casa Branca?
 

De acordo com as estatísticas relatadas na conferência, o número de passaportes comuns emitidos no primeiro semestre de 2021 foi de apenas 2% do do primeiro semestre de 2019. A maioria dos passaportes foi emitida para estudar, trabalhar e se envolver em atividades de negócio.

O repentino aperto da política interrompeu os planos de muitas pessoas, incluindo cidadãos chineses que se estabeleceram nos Estados Unidos e voltaram para visitar parentes. Os internautas nas redes sociais disseram que os pedidos de renovação de passaporte enviados seis meses antes não foram aprovados, tornando improváveis ​​suas saídas.

Um empresário chinês que vive nos Estados Unidos, Zhang Shengqi, disse à Radio Free Asia em agosto a situação de seu amigo. Segundo Zhang, seu amigo, que trabalhava em uma faculdade americana, ficou preso na China por muito tempo. O empregador da faculdade apresentou seu pedido de renovação de passaporte seis meses antes, mas ainda estava aguardando o resultado. “Quando ele deixou a América, seu bebê recém-nascido tinha menos de um mês, agora o bebê tinha quase meio ano. Sua esposa teve que cuidar do bebê sozinha”.

Zhang acrescentou que, embora o amigo tenha usado suas conexões, a situação não melhorou. Ele não tinha certeza de quando iria se reunir com sua família.

No final de 2021, enquanto a China lutava contra vários surtos da variante Delta, as restrições de saída continuaram e foram ainda mais longe. Uma mulher chinesa, que era residente permanente nos Estados Unidos, reclamou online em dezembro sobre o que aconteceu com ela no aeroporto quando ela estava levando seus filhos para a América.

O inspetor de saída perguntou como ela obteve o status de residente permanente nos Estados Unidos. Ela respondeu que conseguiu através do asilo. O inspetor a pressionou pelo motivo do pedido de asilo, deixando-a nervosa e sem palavras. O inspetor então cortou seu passaporte, tornando-o inválido, e só permitiu que seus filhos embarcassem no avião, escreveu a mulher em um post nas redes sociais.

Sua experiência provocou muita discussão online. Um internauta escreveu: “As pessoas devem ser questionadas e devem ter um bom motivo ao sair de um país, como ao entrar em um?”

Também alarmou alguns na diáspora chinesa na América, já que muitos cidadãos chineses têm residência permanente nos Estados Unidos e estão acostumados a viajar de volta à China à vontade.

Proibições de saída

Mesmo cidadãos americanos na China podem ser forçados a permanecer no país se o regime comunista considerar necessário. De acordo com sua lei, as autoridades do PCC têm amplo poder discricionário para impedir que estrangeiros deixem o país.

O governo dos EUA alertou repetidamente os cidadãos americanos que consideram viajar para a China sobre as proibições de saída de Pequim. Em janeiro de 2021, o governo Trump emitiu um China Travel Advisory, afirmando que as autoridades chinesas podem usar detenções arbitrárias e proibições de saída para obrigar os cidadãos dos EUA a participar de suas investigações, pressionar seus familiares a retornar à China do exterior e obter vantagem de barganha sobre governos estrangeiros.

Pequim não reconhece a dupla nacionalidade, por isso o comunicado faz advertências especiais aos sino-americanos. “Cidadãos EUA-China e cidadãos americanos de origem chinesa podem estar sujeitos a assédio adicional”, afirmou. Enquanto isso, o governo chinês pode impedir a embaixada dos EUA de fornecer serviços consulares, acrescentou.

VEJA TAMBÉMRússia arquiva planos para passaportes de vacinas em todo o país

O caso de Daniel Hsu é ilustrativo. O cidadão americano foi impedido de deixar a China por quatro anos até novembro de 2021. O regime chinês o manteve como refém na tentativa de coagir seu pai a retornar à China e enfrentar a justiça por supostamente desviar cerca de US$ 63.000 mais de duas décadas antes.

Quatro dias antes de o presidente Joe Biden e o líder chinês Xi Jinping se encontrarem online no mês passado, sua proibição de saída de longa data de repente foi suspensa e ele foi instruído a voltar para os Estados Unidos em 48 horas.

Em outro caso, dois irmãos americanos foram impedidos de deixar a China por mais de três anos antes de voltar para a América em setembro de 2021.

Victor Liu, estudante universitário e Cynthia Liu, consultora, foram à China em junho de 2018. As autoridades chinesas impediram os irmãos de deixar o país e detiveram a mãe, também cidadã norte-americana, para obrigar o pai, que mora nos EUA, procurado pela polícia chinesa por seu papel em um caso de fraude, para retornar à China e se entregar.

Sua libertação ocorreu logo depois que o Departamento de Justiça dos EUA permitiu que Meng Wanzhou, o CFO da gigante de telecomunicações da China Huawei, que estava no Canadá lutando contra a extradição para os Estados Unidos por um caso de fraude federal, voltasse para a China.

 

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 


ESTAMOS NO GETTR



Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.