12/01/2022 às 09h50min - Atualizada em 12/01/2022 às 09h50min

Papa Francisco sugere que vacina contra COVID seja 'obrigação moral'

Francisco usou algumas de suas palavras mais fortes ainda pedindo que as pessoas sejam vacinadas em um discurso para embaixadores credenciados na Santa Sé, um evento anual no qual ele faz um balanço do mundo e estabelece as metas de política externa do Vaticano para o ano.

Luiz Custodio
wcti12.com

ROMA (AP) - O papa Francisco sugeriu na segunda-feira que se vacinar contra o coronavírus é uma "obrigação moral" e denunciou como as pessoas foram influenciadas por "informações infundadas" a recusar uma das medidas mais eficazes para salvar vidas.

Francisco usou algumas de suas palavras mais fortes ainda pedindo que as pessoas sejam vacinadas em um discurso para embaixadores credenciados na Santa Sé, um evento anual no qual ele faz um balanço do mundo e estabelece as metas de política externa do Vaticano para o ano.

Francis, de 85 anos, geralmente evita falar sobre a vacinação como uma "obrigação moral", embora seu órgão consultivo da COVID-19 tenha se referido a isso como uma "responsabilidade moral". Em vez disso, Francisco denominou a vacinação como "um ato de amor" e que se recusar a ser vacinado era "suicida".

VEJA TAMÉMAviso de injeção de coágulo: esta é a aparência de um coágulo sanguíneo

 

Na segunda-feira ele foi mais longe, dizendo que os indivíduos têm a responsabilidade de cuidar de si mesmos "e isso se traduz em respeito pela saúde daqueles que nos rodeiam. A saúde é uma obrigação moral", afirmou.

Ele lamentou que, cada vez mais, as divisões ideológicas estivessem desencorajando as pessoas a serem vacinadas.
 

“Frequentemente as pessoas se deixam influenciar pela ideologia do momento, muitas vezes amparadas por informações sem fundamento ou fatos mal documentados”, disse ele, pedindo a adoção de uma “terapia da realidade” para corrigir essa distorção da razão humana.

"As vacinas não são um meio mágico de cura, mas certamente representam, além de outros tratamentos que precisam ser desenvolvidos, a solução mais razoável para a prevenção da doença", acrescentou.

Alguns católicos, incluindo alguns bispos e cardeais conservadores dos EUA, alegaram que as vacinas baseadas em pesquisas que usavam células derivadas de fetos abortados eram imorais e se recusaram a receber as vacinas.

O escritório de doutrina do Vaticano, no entanto, disse que é "moralmente aceitável" que os católicos recebam vacinas contra o COVID-19 com base em pesquisas que usaram células derivadas de fetos abortados. Francisco e o papa emérito Bento XVI foram totalmente vacinados com vacinas da Pfizer-BioNTech.

Francisco repetiu seu apelo pelo acesso universal às vacinas, principalmente nas partes do mundo com baixas taxas de vacinação, e pediu revisões nas regras de patentes para que os países mais pobres possam desenvolver suas próprias vacinas.

"É apropriado que instituições como a Organização Mundial do Comércio e a Organização Mundial da Propriedade Intelectual adaptem seus instrumentos legais para que as regras monopolistas não constituam mais obstáculos à produção e ao acesso organizado e consistente à saúde em nível global", disse.



 

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 


ESTAMOS NO GETTR



Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »