27/12/2021 às 15h14min - Atualizada em 27/12/2021 às 15h14min

Protestos sobre mortes pós-vacinação se espalharam pela Coreia do Sul

Uma das nações mais vacinadas do planeta está vendo um aumento da resistência pública sobre os jabs de Covid-19, já que os manifestantes na Coréia do Sul estão exigindo responsabilização pelas mortes que atribuem aos tiros.

Luiz Custodio
koreajoongangdaily.joins.com / yna.co.kr / usnews.com
 

Os manifestantes se reuniram em Busan no domingo, depois que uma manifestação semelhante foi realizada em Seul no dia de Natal. Manifestantes magoados ergueram grandes retratos de familiares falecidos - como aqueles normalmente exibidos em funerais na Coreia do Sul - e testemunharam como seus entes queridos morreram logo após serem vacinados contra Covid-19.

TENDÊNCIAS: editor de 49 anos do New York Times morre de ataque cardíaco um dia depois de se gabar de ter recebido uma injeção de reforço

Dezenas de retratos fúnebres foram exibidos na manifestação de sábado no complexo do governo em Seul. Os manifestantes pediram ao governo que identifique as causas das reações adversas e admita que as vacinas são as culpadas.

Mais de 1.000 sul-coreanos  morreram  logo após receberem vacinas de Covid-19, mas o governo confirmou uma conexão causal com as vacinas em apenas alguns desses casos. Em um dos raros casos em que uma reação adversa séria foi reconhecida, uma auxiliar de enfermagem foi reconhecida em agosto como vítima de um acidente industrial e recebeu benefícios do governo após  sofrer paralisia  após receber a injeção de Covid-19 da AstraZeneca.

 

Apenas uma semana após o lançamento das vacinas Covid-19 no final de fevereiro e início de março, a Agência de Controle e Prevenção de Doenças da Coréia do Sul   disse que sete pessoas morreram e 24 relataram reações adversas graves após receberem seus jabs de AstraZeneca. O governo supostamente iniciou uma investigação em agosto, depois que um adolescente sem condições de saúde subjacentes morreu após a inoculação com a vacina Pfizer-BioNTech Covid-19.

Uma associação chamada Conselho de Vítimas e Famílias da Vacina Covid-19 realizou manifestações em várias cidades sul-coreanas. Manifestantes marcharam no domingo  da Prefeitura de Busan à Universidade Nacional de Educação de Busan, informou o Yonhap News.

A segurança da vacina pode se tornar uma questão controversa na eleição presidencial da Coreia do Sul. O Partido do Poder do Povo, da oposição  ,  realizou uma audiência pública na semana passada sobre os efeitos colaterais da vacina, convidando as supostas vítimas e seus familiares a oferecer sugestões de medidas de apoio que o candidato presidencial Yoon Seok-yeol pode adotar.

Kim Jong-in, o presidente da campanha do partido, acusou a administração do presidente Moon Jae-in de ser indiferente aos danos da vacina. O governo se comprometeu a compensar as vítimas dos efeitos colaterais da vacina, mas também decide se os ferimentos e mortes são atribuídos aos jabs. “Acho que as pessoas chegaram a um ponto em que não podem confiar no governo”,  disse Kim.

A Coreia do Sul normalmente tem uma das taxas de vacina mais altas do mundo   para várias vacinas, e os tiros de Covid-19 não foram exceção. Cerca de 83% dos sul-coreanos foram vacinados contra a Covid-19, facilmente a taxa mais alta entre as nações do G20.

 

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 


ESTAMOS NO GETTR



Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.