25/12/2021 às 14h51min - Atualizada em 25/12/2021 às 14h51min

Até 8.000 fuzileiros navais podem ser demitidos devido ao mandato da vacina COVID

Membros em serviço ativo dos fuzileiros navais tinham prazo de 28 de novembro para serem totalmente vacinados

Luiz Custodio
newsweek.com

O Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA pode acabar separando administrativamente até 8.000 fuzileiros navais que se recusam a receber a vacina COVID-19, de acordo com novos dados divulgados na quinta-feira.

A notícia veio quando o Corpo de Fuzileiros Navais afirmou que já separou 169 membros não vacinados, incluindo 66 na semana passada. A separação dos fuzileiros navais é semelhante a uma isenção de dever ou demissão. Não é punitivo como uma corte marcial; é apenas uma manobra administrativa.

Membros em serviço ativo dos fuzileiros navais tinham prazo de 28 de novembro para serem totalmente vacinados ou apresentarem um pedido de isenção de vacina, e os oficiais dos fuzileiros navais advertiram que soldados não vacinados enfrentariam a separação, de acordo com um comunicado anterior.

O Corpo de Fuzileiros Navais é atualmente o ramo menos vacinado das Forças Armadas, com uma taxa de 95% entre os membros da ativa, de acordo com as estatísticas mais recentes.

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) informou que a Marinha está com 96,3%, a Força Aérea e Espacial com 96% e o Exército com 98%.

Apesar dessas estatísticas, isso não significa que vários fuzileiros navais não tenham sido excluídos da exigência de vacinas, já que mais de 1.000 isenções de vacinas foram aprovadas pelo Corpo de Fuzileiros Navais. No entanto, tudo isso foi por razões administrativas ou médicas, de acordo com o porta-voz do Corpo de Fuzileiros Navais, Capitão Andrew Wood.

A maioria dos pedidos de isenção, no entanto, foram para alegados fins religiosos, dos quais os fuzileiros navais não aprovaram nenhum.

“Até o momento, houve 3.192 pedidos de acomodação religiosa relacionados ao mandato da vacina COVID-19. No momento, 3.080 foram processados ​​e nenhuma solicitação foi aprovada ”, disse Wood em um comunicado. O Marine Corps Times relatou anteriormente que o corpo não havia concedido uma única isenção religiosa para uma vacina na última década.

Dado esse histórico, é improvável que os 8.000 fuzileiros navais que enfrentam a separação recebam qualquer isenção. No entanto, eles não serão dispensados ​​de forma desonrosa, já que o Times observou que uma recente disposição de defesa exige "membros do serviço dispensados ​​por recusa da vacina em receber dispensa honrosa ou geral".

 

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 




ESTAMOS NO GETTR  



Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.