23/12/2021 às 15h07min - Atualizada em 23/12/2021 às 15h07min

Um importante estudo norueguês descobre que as vacinas COVID-19 interferem na menstruação de mulheres jovens

O estudo norueguês registrou uma infinidade de distúrbios menstruais após a ingestão de várias vacinas COVID-19, incluindo sangramento intenso ou prolongado, intervalos irregulares ou dor extra.

Luiz Custodio
sputnik
 

Quase o dobro de mulheres jovens norueguesas tiveram um período menstrual mais intenso do que costumavam depois de receber suas injeções de COVID-19, concluiu um grande estudo populacional em resultados preliminares.

 

Para investigar se há uma conexão entre as injeções do COVID-19 e vários distúrbios hemorrágicos, o Instituto Nacional de Saúde Pública (FHI) está conduzindo um grande estudo com mais de 60.000 meninas e mulheres de 12 a 80 anos na Noruega. Até agora, foram publicados resultados preliminares para 6.000 mulheres que representam a faixa etária de 18 a 30 anos.

 

“Vemos neste estudo que várias mulheres experimentaram vários distúrbios após a primeira ou a segunda dose da vacina COVID”, disse a médica da FHI, Lill Trogstad  ,  em um comunicado à imprensa.

A proporção de mulheres que disseram ter sentido sangramento intenso aumentou de 7,6 por cento antes da vacinação para 13,6 por cento após a vacinação. Sua participação aumentou ainda mais para 15,3 por cento após o segundo tiro.

Outros sintomas frequentemente relatados incluem sangramentos prolongados, intervalos curtos ou longos incomum, sangramento intermitente inesperado, períodos extra dolorosos ou até mesmo dor menstrual sem sangramento.

Com base nos resultados preliminares, a FHI listou uma série de dicas para mulheres que tiveram distúrbios menstruais, incluindo adiar a vacinação até que a causa seja investigada ou os sintomas tenham passado.

Entre os participantes, 59,4% receberam Pfizer como primeira dose, enquanto 35,8% receberam Moderna, 4,7% AstraZeneca e 0,2% Janssen (Johnson & Johnson). Para a segunda dose, 47,4 por cento receberam Pfizer e 52,6 por cento Moderna.

No verão de 2021, mulheres em todo o mundo começaram a relatar distúrbios hemorrágicos após receberem uma vacina contra o coronavírus. Só na Dinamarca, seu número disparou de várias dezenas para mais de mil em questão de várias semanas. Em novembro, o número de relatórios ultrapassou 3.900. A Noruega, no entanto, se tornou a primeira nação a responder com uma ampla pesquisa populacional, após ter processado apenas 1.264 relatórios.

 

Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 




ESTAMOS NO GETTR  



Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »