08/12/2021 às 15h16min - Atualizada em 08/12/2021 às 15h16min

14% dos pacientes com COVID hospitalizados e com deficiência de vitamina D tem mais chance de entrar em estado grave - estudo israelense

Entre os sem deficiência que são hospitalizados, apenas 3% morrem; pacientes com D insuficiente também são 14 vezes mais propensos a acabar em estado grave ou crítico, a pesquisa mostra

Cristina Barroso
The Times of Israel
(reprodução)
Pacientes hospitalizados com COVID-19 têm muito mais probabilidade de morrer ou terminar em estado grave ou crítico se forem deficientes em vitamina D, descobriram pesquisadores israelenses.

Em um estudo conduzido em um hospital da Galiléia, 26% dos pacientes com deficiência de vitamina D do coronavírus morreram, enquanto entre outros pacientes o número foi de 3%.

“Esta é uma discrepância muito, muito significativa, que representa uma grande pista de que iniciar a doença com muito baixo teor de vitamina D leva a um aumento da mortalidade e mais gravidade”, disse o Dr. Amir Bashkin, endocrinologista e parte da equipe de pesquisa, ao The Times of Israel.

Durante grande parte da pandemia, muitos cientistas sugeriram que a chamada vitamina do sol pode ajudar as pessoas a combater a doença. O novo estudo representa uma das peças de apoio à pesquisa mais convincentes até o momento.

“Em suma, depois de conduzir este estudo, eu diria às pessoas que durante esta pandemia, você certamente quer ter certeza de que tem vitamina D adequada, porque se você contrair o coronavírus, isso o ajudará”, disse o Dr. Amiel Dror, que liderou a pesquisa.

Ele analisou dados de 1.176 pacientes internados no Galilee Medical Center, 253 dos quais tinham níveis de vitamina D registrados, para um estudo que foi publicado online, mas ainda não foi revisado por pares. Metade daqueles com níveis registrados eram deficientes em vitamina D.


Membros da equipe do Hospital Hadassah Ein Kerem usando equipamento de segurança enquanto trabalham em uma enfermaria de coronavírus em 01 de fevereiro de 2021. (Olivier Fitoussi / Flash90)

“Ficamos muito interessados ​​em ver que grande diferença isso fez, com esses pacientes cerca de 14 vezes mais propensos, em média, a acabar em estado grave ou crítico”, disse Dror, que, como Bashkin, é médico na Galiléia Medical Center, além de pesquisadora da Bar Ilan University.

Numerosos estudos foram conduzidos sobre a associação entre os níveis de vitamina D e a infecção por SARS-CoV-2, e eles produziram resultados mistos. A maioria deles mediu os níveis de vitamina D quando os pacientes já estavam doentes, o que pode complicar a interpretação dos resultados.



A manutenção centralizada de registros de saúde de Israel permitiu aos pesquisadores de Bar Ilan acessar facilmente os níveis de vitaminas do paciente registrados antes da infecção. Esses dados levaram a um importante estudo que elogiou as perspectivas da vitamina D no combate à doença no ano passado, assim como o novo estudo.

“Este estudo é importante por causa dos resultados, pelo fato de usar dados anteriores à admissão e também porque tomamos o cuidado de isolar todos os fatores como idade e diabetes”, disse Dror. “Vimos que a deficiência de vitamina D é um fator independente que influencia significativamente o estado do paciente.”

Dror acrescentou que o fato de uma proporção tão grande de pacientes serem deficientes em vitamina D em Israel, apesar da abundância de sol, destaca o valor das pessoas ao redor do mundo monitorando e potencialmente aumentando seus níveis.
Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 





ESTAMOS NO GETTR 


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.