28/11/2021 às 11h11min - Atualizada em 28/11/2021 às 11h11min

SAIU NOVO ESTUDO: Risco de infecção de Covid aumenta gradualmente após a segunda injeção da Pfizer

Um estudo publicado pelo The BMJ hoje encontra um aumento gradual no risco de infecção por COVID-19 a partir de 90 dias após receber uma segunda dose da vacina Pfizer-BioNTech.

Cristina Barroso
Starday News
(Reprodução)
JERUSALÉM: O estudo foi realizado pelo Instituto de Pesquisa de Serviços de Saúde Leumit em Israel. Israel foi um dos primeiros países a lançar uma campanha de vacinação COVID-19 em grande escala em dezembro de 2020, mas que viu um ressurgimento de infecções desde junho de 2021.

Os resultados confirmam que a vacina Pfizer-BioNTech forneceu excelente proteção nas semanas iniciais após a vacinação, mas sugerem que a proteção diminui para alguns indivíduos com o tempo.

Os resultados do teste descobriram que 1,3% das pessoas testaram positivo em 21 a 89 dias após uma segunda dose, mas aumentou para 2,4% após 90 a 119 dias; 4,6% após 120 a 149 dias; 10,3% após 150 a 179 dias; e 15,5% após 180 dias ou mais.
Os especialistas concluíram que a imunidade diminui três meses após o recebimento da segunda dose da vacina. Eles disseram: "As campanhas de vacinação da Covid-19 em grande escala podem alcançar o controle sobre a propagação do vírus, mas mesmo em países com altas taxas de vacinação, podem ocorrer infeções inatas.

"O risco de infecção (Covid) em adultos que receberam duas injeções de vacina aumentou com o tempo decorrido desde a vacinação em comparação com a referência (indivíduos vacinados nos últimos 90 dias)."

Assim, eles concluem que em indivíduos que receberam duas doses da vacina Pfizer-BioNTech, a proteção pareceu diminuir com o tempo e o risco de infecção repentina aumentou progressivamente em comparação com a proteção fornecida durante os 90 dias iniciais.

Os resultados sugerem que a consideração de uma terceira dose de vacina pode ser justificada, eles acrescentam.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou que o governo adote restrições para voos e viajantes vindos da África do Sul e cinco países vizinhos - Botsuana, Suazilândia (Eswatini), Lesoto, Namíbia e Zimbábue.
A Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou nesta sexta-feira (26/11) uma reunião onde classificou o Omicron como "variante preocupante."
(Coloquialmente chamada de variante Nu, é a mesma que vem da África do Sul, que tem mais de 30 novas mutações na proteína de pico e também já foi identificada em Hong Kong, indicando uma disseminação maior do que a conhecida atualmente)
As autoridades de Hong Kong culparam um viajante sul-africano que supostamente usava uma máscara reutilizável com uma válvula de escape por trazer a nova variante do coronavírus para a cidade. Essas válvulas filtram o ar apenas quando é inalado, mas não quando exalado.
Yuen Kwok-yung, microbiologista líder de Hong Kong, chamou as máscaras valvuladas de “egoístas”, pois protegem apenas o usuário.
“O que há de especial nessas máscaras valvulares é que são máscaras meio egoístas ... quando o ar sai pela válvula, não é filtrado, o que não é bom. É melhor usar as adequadas ”, disse ele a repórteres na segunda-feira, enquanto inspecionava a infecção cruzada.

A Itália proibiu a entrada de pessoas que visitaram estados sul-africanos nos últimos 14 dias, enquanto o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, disse que o país está “à beira de um estado de emergência”.
Os EUA proíbem viagens da África do Sul, Botswana, Zimbabwe, Namíbia, Lesoto, Eswatini, Moçambique e Malawi entre a variante Omicron a partir de segunda-feira.
Considere apoiar o Tribuna Nacional
Precisamos do seu apoio para continuar nosso jornalismo baseado em pesquisa independente e investigativa sobre as ameaças do Estado Profundo que a humanidade enfrenta. Sua contribuição, por menor que seja, nos ajuda a nos mantermos à tona. 


 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Comentar

*Ao utilizar o sistema de comentários você está de acordo com a POLÍTICA DE PRIVACIDADE do site https://tribunanacional.com.br/.