29/09/2021 às 10h47min - Atualizada em 29/09/2021 às 10h47min

O presidente Putin coloca o YouTube em alerta: pare de sua censura ou desapareça para sempre

O presidente Putin prometeu banir completamente o YouTube da Rússia se eles não pararem de censurar tópicos não convencionais em sua plataforma.

Luiz Custodio
rt.com

O regulador nacional de mídia da Rússia, Roskomnadzor, disse ao YouTube no Wedesday que "todas as restrições sejam retiradas dos canais RT DE e Der Fehlende Part (DFP) do YouTube, administrados pela agência de notícias RT, o mais rápido possível".
 

De acordo com o governo Putin, não fazer isso seria uma violação da lei russa e, “para tais ações, um recurso da Internet pode ser designado como violador de direitos humanos e liberdades fundamentais”  e pode enfrentar uma advertência formal.
 

“Caso o proprietário da plataforma não cumpra o aviso, a legislação nos permite tomar medidas, incluindo o bloqueio total ou parcial do acesso a ela”,  disse Roskomnadzor em um comunicado.

 

Relatórios da Rt.com : Na terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia criticou a decisão de remover os dois canais como  "um ato de agressão de informação sem precedentes"  e uma  "manifestação óbvia de censura e supressão da liberdade de expressão".  Segundo os diplomatas, o YouTube agiu com  “óbvia conivência, senão por insistência”  das autoridades alemãs.

 

Tanto o RT DE quanto o DFP foram removidos no início daquele dia, supostamente sem perspectiva de apelação. O YouTube alega que quebrou as regras do serviço ao tentar contornar uma greve de 'diretrizes da comunidade', transmitida por 'desinformação médica' em quatro vídeos. Os detalhes da suposta violação ainda não estão claros, mas a editora-chefe da RT, Margarita Simonyan, disse que isso equivale a  "uma declaração de guerra da mídia contra a Rússia pela Alemanha".
 

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia também alertou que poderia tomar medidas contra os meios de comunicação alemães em retaliação à decisão. “A adoção de medidas recíprocas contra os meios de comunicação alemães na Rússia que, aliás, tem se mostrado repetidamente interferido nos assuntos internos de nosso país, parece não apenas apropriado, mas necessário”  , disse em um comunicado.
 

O ministério prosseguiu dizendo que impor tais restrições é “a única maneira possível de focar a atenção de nossos parceiros em um diálogo construtivo e significativo em torno desta situação inaceitável”.
 

O governo russo tem se envolvido em um impasse com o YouTube nas últimas semanas por causa de material publicado por aliados da figura da oposição encarcerada Alexey Navalny na corrida para as eleições parlamentares do país. Antes da votação no início deste mês, o site de streaming de vídeo finalmente atendeu às exigências para remover o material, que as autoridades disseram violar as leis nacionais.
 

Defendendo a decisão de cumprir a ordem, a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, disse na segunda-feira que a liberdade de expressão é um  "valor fundamental"  para a empresa, acrescentando que  "quando trabalhamos com governos, há muitas coisas que devemos levar em consideração, sejam elas são as leis locais ou o que está acontecendo no local. ”
 

Após a eleição, Vasily Piskarev, chefe de uma comissão da Duma estatal que investiga a interferência estrangeira nos assuntos internos da Rússia, afirmou que várias organizações trabalharam para pressionar o site, junto com outras plataformas online, a se recusar a seguir o pedido e mantê-lo banido material online. 
 

“Várias ONGs estrangeiras - mais de 20 organizações no total - durante a campanha eleitoral abertamente pediram ao Facebook, Twitter e Google que não cumprissem as ordens das autoridades e ignorassem os requisitos legais russos para retirar conteúdo proibido”,  disse Piskarev. Ele prometeu que seu comitê tomaria medidas para restringir suas atividades no futuro.

Participe:

 

Além de compartilhar este arquigo, você pode ajudar de outra forma fazendo com que nosso trabalho chegue a mais pessoas clicando AQUI


 
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »