17/07/2021 às 09h59min - Atualizada em 17/07/2021 às 09h59min

Casa Branca aumenta a pressão sobre a 'dúzia' de desinformação da Covid, da Big Tech

Centro de Combate ao Ódio Digital (CCDH), uma organização sem fins lucrativos, que identificou em um relatório publicado em março cerca de uma dúzia de pessoas que disse serem propagadoras de desinformação antivacinas.

Cristina Barroso
CNN Business
(REPRODUÇÃO)
E a censura das plataformas de redes sociais continua a pleno vapor. Mídias independentes, canais de YouTube e perfis de redes sociais estão sendo banidos por uma censura ferrenha, arbitrária e  clara perseguição política. Tudo magistralmente orquestrado.
Quem está por trás disso?
Quem são os verificadores da verdade?
Porque a imprensa honesta não pode questionar o perigo que envolve as vacinas COVID? 
Nossa liberdade de expressão está sangrando e não temos a quem recorrer?

O perigo que as vacinas COVID representa para a população mundial é flagrante, por que querem esconder essas informações?
No Brasil nem um estudo científico está registrando os efeitos colaterais graves e muito menos a eficácia da imunização oferecida pelas vacinas. E quem ousar questionar ´é classificado como antivacinas e severamente censurado.

A CNN Business publicou ontem (16) que a Casa Branca aumentou a pressão sobre o Vale do Silício para controlar a desinformação sobre vacinas na quinta-feira, destacando especificamente 12 pessoas que um grupo apelidou de "dúzia de desinformação", dizendo que eram responsáveis ​​por uma grande quantidade de desinformação sobre a Covid. 19.

"Há cerca de 12 pessoas que estão produzindo 65% da desinformação antivacinas nas plataformas de mídia social", disse a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, na quinta-feira.

Essa estatística é do Centro de Combate ao Ódio Digital (CCDH), uma organização sem fins lucrativos, que identificou em um relatório publicado em março cerca de uma dúzia de pessoas que disse serem propagadoras de desinformação antivacinas.
Estamos sendo sumariamente condenados por essas organizações de verificadores de fatos, sem direito a defesa. Eles denunciam, julgam e condenam todo conteúdo e pessoas que simplesmente exigem explicações, questionam o que estão fazendo com nossa saúde. Quais as consequências futuras dessa vacina?

Na época, a CCDH havia convocado o Facebook e o Twitter para fechar todas as páginas administradas por essas pessoas .Robert F. Kennedy Jr., uma figura proeminente no movimento antivacinas, está entre as pessoas que a CCDH disse que deveriam ser expulsas da mídia social.

A página de Kennedy no Instagram de propriedade do Facebook foi fechada no início deste ano por compartilhar informações incorretas da Covid-19, disse o Facebook. No entanto, Kennedy ainda tem permissão para acessar o próprio Facebook ( FB ) e tem mais de 300.000 seguidores na plataforma.
Explicando por que Kennedy foi expulso de uma de suas plataformas, mas não da outra, um porta-voz do Facebook disse à CNN na quinta-feira: "Não desabilitamos contas automaticamente em nossos aplicativos, porque as contas podem postar sobre coisas diferentes em nossos diferentes serviços."

Na época em que o relatório do CCDH foi divulgado em março, Kennedy disse ao NPR que havia se tornado mais cauteloso no Facebook, que, de acordo com o NPR, ele também acusou de censura. "Eu tenho que postar fotos de unicórnios e gatinhos lá", disse ele.
A CCDH disse na sexta-feira que 35 contas de mídia social vinculadas às pessoas identificadas foram encerradas, perdendo-as 5,8 milhões de seguidores, mas 62 contas com um total de 8,4 milhões de seguidores ainda estão ativas.
A CNN informou na quinta-feira que as reuniões entre o governo Biden e o Facebook ficaram "tensas", segundo uma pessoa a par das conversas.

A pessoa apontou especificamente para a conta ainda ativa de Kennedy no Facebook como um exemplo do que alguns funcionários da Casa Branca consideram a inação do Facebook em relação à desinformação da Covid-19.
Um porta-voz do Facebook disse à CNN na sexta-feira que a empresa fechou algumas páginas e grupos pertencentes a cerca de uma dúzia de pessoas identificadas pelo CCDH, mas não disse quais páginas.

Pergunta que não quer calar: POR QUÊ?

LEIA TAMBÉM:


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »