16/07/2021 às 21h25min - Atualizada em 16/07/2021 às 21h25min

EUA: 54% dos médicos admitem reações adversas graves em vacinas e 80% acham que o risco de vacinas é maior do que o da doença

Nenhuma das pesquisas representa uma amostra aleatória de todos os médicos americanos, mas a pesquisa da AAPS mostra que o apoio dos médicos à campanha de vacinação em massa está longe de ser unânime.

Cristina Barroso
Daily Exposed
(REPRODUÇÃO)
Dos 700 médicos que responderam a uma pesquisa online realizada pela Associação de Médicos e Cirurgiões Americanos (AAPS), quase 60% disseram que não estavam “totalmente vacinados” contra a COVID-19.
Isso contrasta com a alegação da Associação Médica Americana de que 96% dos médicos ativos estavam totalmente vacinados. Isso foi baseado em 300 entrevistados.

Nenhuma das pesquisas representa uma amostra aleatória de todos os médicos americanos, mas a pesquisa da AAPS mostra que o apoio dos médicos à campanha de vacinação em massa está longe de ser unânime.
Praticamente nenhum médico é contra antibióticos ou contra cirurgias, mas todos se opõem a tratamentos que consideram desnecessários, mais propensos a prejudicar do que beneficiar um determinado paciente, ou que não tenham sido devidamente testados.

A pesquisa da AAPS também mostrou que 54% dos médicos entrevistados estavam cientes de que seus pacientes haviam sofrido uma “reação adversa significativa”. Dos médicos não vacinados, 80% disseram: “Acho que o risco da vacina supera o risco da doença”, e 30% disseram: “Eu já tive COVID”.

Outras razões para recusar a vacinação foram os efeitos desconhecidos a longo prazo, o uso de tecido fetal abortado, o fato de ser “experimental”, a disponibilidade de tratamento precoce eficaz e relatos de mortes e coágulos sanguíneos.

Dos 560 médicos, 56% disseram que já ofereceram tratamento precoce para a COVID.

Leia também: Pessoas que não eram médicos também foram convidadas a participar da pesquisa. De um total de 5.300 participantes, 2.548 forneceram feedback sobre os efeitos adversos associados às vacinas. Estes incluíram morte, amputação, paralisia, natimorto, irregularidades menstruais, cegueira, convulsões e problemas cardíacos.

“Causalidade não é comprovada. No entanto, muitos desses episódios poderiam ser resultado do produto ou até com direito à compensação por negligência do fabricante se tivessem ocorrido após uma nova droga colocada no mercado”, disse o Dr. Orient. “Os fornecedores desses produtos contra a COVID estão protegidos contra essas ações judiciais”.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »