30/06/2021 às 12h57min - Atualizada em 30/06/2021 às 12h57min

Homem morre após distúrbio raro do coágulo sanguíneo, recebeu vacina Moderna COVID-19: relatório

Possivelmente o primeiro caso documentado de condição grave de coágulo sanguíneo após uma vacina baseada em mRNA

Cristina Barroso
The Epoch Times
(REPRODUÇÃO)
Um homem morreu em Pittsburgh, Pensilvânia, após receber uma segunda dose da vacina Moderna COVID-19, e foi determinado que possivelmente tinha uma condição rara e grave de coágulo sanguíneo chamada trombose com trombocitopenia quando se apresentou ao hospital, de acordo com um relatório .
O relato do caso do homem de 65 anos é detalhado em uma carta ao jornal acadêmico Annals of Internal Medicine publicada nesta segunda-feira . O jornal anunciou no Twitter que a pesquisa liderada pelo Dr. Swathi Sangli “é considerada o primeiro caso de #trombose com trombocitopenia após uma vacina de RNA mensageiro # COVID19”.

No último estudo de caso, o homem, que tinha hipertensão crônica e hiperlipidemia, morreu após a formação de coágulos sanguíneos em seus pulmões, pernas e, finalmente, em seu cérebro, após ter tomado a vacina Moderna baseada em mRNA , profissionais de saúde da Allegheny Health Network em Pittsburgh escreveu em seu relatório de caso.
O homem foi ao hospital com uma semana de desconforto em ambas as pernas, dores de cabeça intermitentes e dois dias de falta de ar. Segundo o relatório, os sintomas começaram 10 dias depois de ele receber a segunda dose da vacina Moderna. Ele morreu 12 dias depois de chegar ao hospital.

Os autores escreveram que, em retrospecto, o homem “preencheu os critérios” para uma forma grave de coagulação sanguínea conhecida como trombose induzida por vacina com trombocitopenia (VITT), também chamada de trombose com síndrome de trombocitopenia (TTS).
A condição é semelhante à trombocitopenia induzida por heparina (HIT), mas o homem não tinha exposição à heparina antes de se apresentar ao hospital. No entanto, os autores reconheceram que “não podem descartar HIT atípico ou HIT com administração de heparina não registrada” neste caso.

O relatório “complica as hipóteses que implicam os vetores adenovirais como a única causa de VITT ou TTS”, escreveram os autores. As vacinas COVID-19 que são baseadas em adenovírus desativado incluem as vacinas AstraZeneca e Johnson & Johnson (J&J), que já observaram casos relatados de trombose com trombocitopenia após a inoculação.

Os autores disseram que não foram capazes de identificar outras causas para a condição do homem, incluindo COVID-19, outras infecções, trombocitopenia imune ou outra doença rara do sangue chamada púrpura trombocitopênica trombótica (PTT).

“Se tivéssemos suspeitado de VITT ou TTS antes, teríamos tratado o paciente de maneira diferente”, escreveram eles.


De acordo com a Sociedade Americana de Hematologia, a heparina deve ser evitada “até que o TTS seja descartado ou até que um outro diagnóstico alternativo plausível tenha sido feito”.
Durante a internação do homem no hospital, ele recebeu heparina não fracionada, que ajuda a impedir a formação de novos coágulos sanguíneos. Porém, três dias depois, ele desenvolveu um hematoma agudo nos músculos glúteos que exigiu que os médicos retirassem a heparina.

Doze horas depois disso, o homem desenvolveu encefalopatia aguda, e uma tomografia computadorizada mostrou trombose do seio venoso cerebral (TSCV) - um coágulo no cérebro que impede o sangue de sair dele. Desta vez, os médicos começaram a tratar o paciente com bivalirudina, uma terapia sem heparina que previne coágulos de manchas, e iniciaram um procedimento chamado plasmaférese, mas o homem continuou a piorar e acabou morrendo.

24 horas após o homem ter iniciado a nova terapia anticoagulante, os exames de sangue mostraram que ele tinha Staphylococcus aureus sensível à meticilina e foram administrados antibióticos.

Sobre o caso geral do homem, os autores disseram que "um evento tão raro, mesmo se confirmado por relatórios adicionais, não deveria impedir" as pessoas de tomar vacinas COVID-19 que usam tecnologia de mRNA, e que era "importante notar que muitos milhões de pessoas ”receberam tais vacinas. Além da vacina Moderna, a vacina Pfizer-BioNTech para COVID-19 também usa tecnologia de mRNA. Nenhum coágulo sanguíneo raro foi registrado após a administração da vacina Pfizer.

O Epoch Times entrou em contato com a Moderna para comentar.
Em um editorial anexo , dois médicos externos, Allyson Pishko e Adam Cuker, escreveram que “concordam plenamente com a decisão dos autores de tratar o caso descrito como VITT e não defendem o adiamento do tratamento nesses casos”.

“No entanto, é necessário cuidado extra antes de atribuir a apresentação do paciente à vacina mRNA-1273 [vacina Moderna]”, acrescentaram.

Os dois apontaram que casos raros de “TIH espontânea” foram relatados, mais freqüentemente após cirurgia ortopédica, mas também em pacientes associados a infecção. Eles ressaltaram que o homem de 65 anos teve uma infecção por estafilococos detectada em seu exame de sangue cerca de uma semana depois que ele se apresentou ao hospital, e que os autores do estudo não puderam confirmar se o paciente tinha alguma infecção antes de ser internado.

“Se esta infecção estivesse presente na admissão, seria impossível distinguir VITT de TIH espontânea desencadeada por infecção”, escreveram eles.

Os dois reconheceram que a gravidade da VITT “não deve ser minimizada”, mas seus riscos “devem ser interpretados no contexto da morbidade e mortalidade geral da COVID-19,” a doença causada pelo vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) . Eles citaram uma análise recente que relatou que a CVST, que é uma "manifestação característica e altamente temida de VITT", foi observada com mais frequência em pacientes hospitalizados com COVID-19 (207,1 por milhão) do que após a vacinação com uma vacina COVID-19 baseada em adenovírus (0,9 a 3,6 por milhão).

Embora seja “difícil estabelecer uma ligação” entre um evento mortal de coágulo sanguíneo e a vacina Moderna, eles disseram que os médicos “devem estar vigilantes quanto à VITT” daqui para frente.

Em abril, a Food and Drug Administration e os Centros para Controle e Prevenção de Doenças  recomendaram uma pausa na vacina J&J em meio a vários relatos de coágulos sanguíneos. Os dois órgãos de saúde, no  final daquele mês, informaram  que a administração da vacina poderia ser retomada, mas anexaram advertências às suas recomendações, incluindo conselhos sobre possíveis riscos. O CDC em maio relatou mais de duas dúzias de casos de trombose com trombocitopenia.

LEIA TAMBÉM:
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »