26/06/2021 às 12h09min - Atualizada em 26/06/2021 às 15h09min

Bolsonaro questiona mais uma vez a eficácia da vacina chinesa contra covid-19 e cita o Chile como exemplo

“Essa vacina está com problemas em diversos países que a utilizam, como o Chile. E no Brasil não é diferente. Em alguns lares de idosos onde as duas doses já foram aplicadas, as pessoas estão contraindo a doença e morrendo “, disse ele.

Cristina Barroso
Epoch Times
(REPRODUÇÃO)

Bolsonaro também criticou as medidas de distanciamento social impostas pelos governos regionais e municipais para tentar conter a pandemia e citou a notícia de que as crianças passam fome porque não podem ir às escolas públicas, onde lhes é oferecida alimentação.
“Isso é consequência da forma inadequada de tratar a pandemia. Quem decidiu fechar as escolas não fui eu, mas os prefeitos e governadores. Se você perdeu o emprego e o aluguel, não foi minha culpa; foi quem fechou as empresas. A culpa é dos governadores ”, garantiu.

O presidente citou o caso da Argentina, ao qual se referiu como o país que mais impõe confinamentos e agora, em sua opinião, é o país com o maior número de mortes por covid-19 por milhão de habitantes. “O problema é que a esquerda ganhou as eleições na Argentina”, disse ele.

Ele também questionou o uso da máscara quando a pessoa já está vacinada ou já contraiu covid-19, “porque não vai ser infectada ou transmitida”, e garantiu que confiou ao Ministério da Saúde um estudo para determinar se autoriza que todas as pessoas já imunizadas saiam sem máscara.
O presidente Jair Bolsonaro questionou mais uma vez a eficácia da vacina chinesa contra covid-19 na quinta-feira e defendeu o tratamento precoce da doença com medicamentos como a cloroquina.

O presidente afirmou em sua transmissão semanal nas redes sociais que vários países estão registrando problemas com a aplicação da vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac por falta de eficácia.

“Essa vacina está com problemas em diversos países que a utilizam, como o Chile. E no Brasil não é diferente. Em alguns lares de idosos onde as duas doses já foram aplicadas, as pessoas estão contraindo a doença e morrendo “, disse ele.

“É sobre a vacina que um governador queria comprar e aí estamos vendo os problemas”, acrescentou, referindo-se ao governador do estado de São Paulo, João Doria, responsável pelo projeto que permitiu a fabricação da vacina Sinovac no Brasil.

Leia também: Bolsonaro disse que o que aconteceu ao redor do mundo está mostrando que a vacina chinesa tem uma eficácia muito baixa. “Pelo que parece, não está dando o resultado esperado. É proteger poucas pessoas e não o número que deveria ser ”, disse.


Moradores aguardam sua vez de receber a vacina AstraZeneca / Oxford contra covid-19 durante o primeiro dia de uma campanha de vacinação em massa dentro do projeto ‘Paquetá Vacunada’, na ilha de Paquetá no Rio de Janeiro, Brasil, em 20 de junho de 2021 (Andre Borges / AFP via Getty Images)

Após questionar o ministro das Comunicações, Fabio Faria, que o acompanhou na transmissão, se ele pretendia rejeitar o Sinovac quando fosse ser vacinado, o chefe de estado afirmou que será o último a ser imunizado.

O presidente recomendou aos brasileiros que contraíram o COVID-19 apesar de terem recebido a vacina procurarem um médico para que possam iniciar imediatamente o chamado tratamento precoce com os medicamentos que ele defende apesar de não terem eficácia comprovada.

“Procure o médico porque ele tem a liberdade de prescrever o que achar melhor. Procure alternativas “, disse ele.

“Você pode ficar calmo. Fui infectado no ano passado e tomei o remédio e fiquei curado. Seis meses atrás eu senti os sintomas novamente e imediatamente tomei e no dia seguinte eu estava bem. Não vou esperar que me falte o ar para pedir ao médico me prescrever. A vida é minha ”, afirmou.

O presidente garantiu que nas últimas visitas que fez a reservas indígenas, os índios lhe contaram que vários contraíram covid-19, mas nenhum morreu porque foi tratado com ervas medicinais.

Bolsonaro também criticou as medidas de distanciamento social impostas pelos governos regionais e municipais para tentar conter a pandemia e citou a notícia de que as crianças passam fome porque não podem ir às escolas públicas, onde lhes é oferecida alimentação.

“Isso é consequência da forma inadequada de tratar a pandemia. Quem decidiu fechar as escolas não fui eu, mas os prefeitos e governadores. Se você perdeu o emprego e o aluguel, não foi minha culpa; foi quem fechou as empresas. A culpa é dos governadores ”, garantiu.

O presidente citou o caso da Argentina, ao qual se referiu como o país que mais impõe confinamentos e agora, em sua opinião, é o país com o maior número de mortes por covid-19 por milhão de habitantes. “O problema é que a esquerda ganhou as eleições na Argentina”, disse ele.

Ele também questionou o uso da máscara quando a pessoa já está vacinada ou já contraiu covid-19, “porque não vai ser infectada ou transmitida”, e garantiu que confiou ao Ministério da Saúde um estudo para determinar se autoriza que todas as pessoas já imunizadas saiam sem máscara.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »