15/06/2021 às 14h39min - Atualizada em 15/06/2021 às 14h39min

Massa muçulmana afegã esfaqueia todos os suecos em seu caminho depois que um sueco ateu lhe diz que 'Deus não existe'

Esfaqueamentos em massa na pequena cidade sueca de Vetlanda

Lucas Silva
eutimes.net

O migrante afegão por trás de uma onda de esfaqueamentos em massa na pequena cidade sueca de Vetlanda admitiu no tribunal que executou o ataque porque uma interação com um ateu no início daquele dia o irritou.
 

O afegão de 22 anos testemunhou em tribunal na quarta-feira, com a ajuda de um intérprete, alegando que estava com problemas de saúde mental antes de realizar o ataque. Ele então descreveu a interação que teve naquele dia na estação de trem, que ele disse o ter desencadeado.
 

“Uma pessoa que eu não conhecia disse que Deus não existe”, disse o jovem de 22 anos ao tribunal, de acordo com a emissora sueca STV, e acrescentou: “Essa pessoa me deixou com raiva”.

 

Após o encontro, o afegão disse que foi para casa pegar uma faca de cozinha com a intenção de voltar à delegacia para matar o ateu e depois acabar com sua própria vida.

 

 

Em vez disso, o afegão esfaqueou sete pessoas na estação em um tumulto. Mas, de acordo com ele, nenhum deles era a pessoa que o havia ofendido anteriormente.
 

“Não sei por que os ataquei”, disse ele, alegando ter desmaiado, lembrando-se apenas de esfaquear duas pessoas e ter uma vaga memória de um terceiro ataque.

 

No terceiro dia do julgamento do migrante afegão, acusado de tentativa de homicídio, o promotor exigiu pena de prisão perpétua.
 

Um relatório do mês passado revelou que o afegão de 22 anos havia pedido asilo pela primeira vez na Noruega em outubro de 2015, mas seu pedido foi negado. Menos de um ano depois, ele veio para a Suécia e alegou ser 11 anos mais novo do que a idade que havia declarado em seu pedido de asilo na Noruega, o que o torna um alegado menor.
 

De acordo com os regulamentos de Dublin da União Europeia, o afegão não deveria ter recebido residência temporária na Suécia, mas deveria ter sido deportado para a Noruega, o primeiro país seguro no qual ele pediu asilo.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »