12/06/2021 às 06h22min - Atualizada em 12/06/2021 às 06h22min

ESCÂNDALO: Pfizer acusada de 'intimidar' países latino-americanos durante negociações de vacinas

Os países latino-americanos acusaram a Pfizer de 'bullying de alto nível' durante as negociações da vacina Covid-19, de acordo com um relatório do Bureau of Investigative Journalism publicado em parceria com o STAT.

Luiz Custodio
.pharmaceutical-technology.com

Os países latino-americanos acusaram a Pfizer de 'bullying de alto nível' durante as negociações da vacina Covid-19, de acordo com um relatório do Bureau of Investigative Journalism publicado em parceria com o STAT .

Funcionários do governo da Argentina e de outro país latino-americano, que assinaram um acordo de confidencialidade com a Pfizer e, portanto, não podem ser identificados, disseram ao Bureau que a Pfizer exigia indenização adicional contra ações civis que os cidadãos poderiam abrir em relação à vacina Covid-19 da Pfizer.

A Pfizer supostamente pediu aos governos da Argentina e do Brasil que disponibilizassem ativos soberanos, incluindo bases militares e reservas de bancos federais, como garantia para potenciais custos legais futuros.

 

Embora a maioria dos países tenha oferecido indenização aos fabricantes de vacinas na pandemia, esses funcionários do governo latino-americano sentiram que as demandas da Pfizer iam além das de outras empresas ou das instalações da COVAX.

 

De acordo com funcionários do governo da Argentina e do país não identificado, a Pfizer pediu proteção de responsabilidade não apenas contra ações civis de cidadãos que sofreram eventos adversos graves após serem vacinados, mas também para casos movidos por negligência, fraude ou malícia da própria Pfizer. Documentos do Ministério da Saúde do Brasil sugerem que a Pfizer fez exigências semelhantes ao governo brasileiro.

 

Como resultado dessas demandas, nem a Argentina nem o Brasil assinaram contrato de fornecimento de vacinas com a PfizerO outro país não identificado finalmente chegou a um acordo com a Pfizer, mas com um atraso de três meses, em detrimento da capacidade do governo de superar a crise da Covid-19.

O diretor do Centro de Leis de Saúde Nacional e Global da Organização Mundial da Saúde (OMS), Professor Lawrence Gostin, disse ao Bureau: “As empresas farmacêuticas não deveriam usar seu poder para limitar as vacinas que salvam vidas em países de baixa e média renda. [Isso] parece ser exatamente o que eles estão fazendo.

“Alguma proteção de responsabilidade é garantida, mas certamente não para fraude, negligência grosseira, má gestão, falha em seguir as boas práticas de fabricação. As empresas não têm o direito de pedir indenização por essas coisas.”
 


ENTRE EM NOSSO CANAL e vamos discutir no GRUPO DO TELERAM.
https://t.me/canaltribunanacional
https://t.me/tribunanacionaloficial
 

Em uma declaração enviada por e-mail à Pharmaceutical Technology, a Pfizer disse que ela mesma e a BioNTech, com a qual desenvolveu a vacina Covid-19, “estão firmemente comprometidas em trabalhar com governos e outras partes interessadas relevantes para garantir o acesso equitativo e acessível à nossa vacina COVID-19 para as pessoas em todo o mundo."

“Globalmente, também alocamos doses para países de baixa e média-baixa renda a um preço sem fins lucrativos, incluindo um contrato de compra antecipada com a COVAX para fornecer até 40 milhões de doses em 2021.

“Desde o início de nosso programa de desenvolvimento de vacinas, temos conversado com mais de 100 países e organizações supranacionais, inclusive na América Latina, a respeito do fornecimento de nossa vacina Covid-19. Estamos empenhados em apoiar os esforços que visam fornecer aos países em desenvolvimento o mesmo acesso às vacinas que o resto do mundo.

“Não comentaremos negociações em curso, que são privadas e confidenciais.”

A Pfizer assinou acordos de fornecimento de vacinas com nove países da América Latina e do Caribe até o momento: Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, México, Panamá, Peru e Uruguai.

Essas revelações ocorrem no contexto de países mais ricos sendo criticados por acumularem de forma desigual as doses disponíveis da vacina Covid-19 às custas dos países em desenvolvimento mais pobres. O diretor-geral da OMS, Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que o mundo está “à beira de um fracasso moral catastrófico” devido à grande desigualdade no acesso às vacinas Covid-19.

As empresas de vacinas também enfrentaram críticas por se concentrarem em negociações bilaterais com países mais ricos, ao invés de assinar acordos com o COVAX Facility, o programa de acesso à vacina Covid-19 eqüitativo administrado pela OMS, Coalition for Epidemic Preparedness Innovations e Gavi, a Vaccine Alliance .

 

Algumas instituições de caridade de saúde pediram que as empresas compartilhassem propriedade intelectual e know-how técnico para permitir que as vacinas Covid-19 sejam desenvolvidas por outros fabricantes em todo o mundo.

A América Latina foi extremamente atingida pela pandemia Covid-19. O Brasil tem o terceiro maior número de casos em todo o mundo e o segundo maior número de mortes no mundo, de acordo com o centro de recursos de coronavírus da Universidade John Hopkins O acesso a vacinas seguras e eficazes na região seria inestimável para virar a maré da crise Covid-19 da região.

A vacina Covid-19 da empresa, desenvolvida com a BioNTech, foi aprovada pela OMS para uso global em 31 de dezembro de 2020.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »