06/06/2021 às 14h28min - Atualizada em 06/06/2021 às 14h28min

Johnson vai pedir no G7 o compromisso dos países para que a população mundial seja vacinada contra o COVID-19 em 2022

O encontro espera abordar também os problemas das mudanças climáticas e do acesso de menores à educação

Luiz Custodio
infobae

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, pedirá na cúpula do G7, que será realizada na Cornualha de 11 a 13 de junho, o compromisso global de que toda a população mundial seja vacinada contra o COVID-19 até o final do ano de 2022 .
 

O chefe do governo conservador, que sediará a cúpula do G7 de sexta a domingo no sudoeste da Inglaterra, pedirá aos seus homólogos dos países mais industrializados (Reino Unido, França, Itália, Canadá, Japão, Alemanha e Estados Unidos ) para tomar "medidas concretas" para atingir esse objetivo, de acordo com um comunicado divulgado na noite de sábado por Downing Street. Exortará os líderes mundiais a chegarem a acordo sobre um plano para acabar com a pandemia e garantir que todas as pessoas tenham acesso à imunização dentro de um período máximo de 18 meses , relatou o jornal britânico 'Daily Mail'.


Este encontro, que terá início na sexta-feira, foi classificado por Johnson como "histórico", e será também a primeira visita ao exterior do Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, desde que assumiu o cargo em janeiro de 2021, e também uma amostra que os Estados Unidos voltaram ao multilateralismo após o mandato de Donald Trump.

 
​Presidente americano Joe Biden. REUTERS / Kevin Lamarque

 

O mundo espera que enfrentemos o maior desafio do pós-guerra: derrotar COVID-19 e liderar a recuperação global impulsionada por nossos valores compartilhados. Vacinar o mundo até o final do próximo ano seria o maior feito da história da medicina”, disse o primeiro-ministro britânico.
 

Assim, Johnson apelou aos seus principais homólogos internacionais do G7 para "aderirem" à iniciativa do Reino Unido para pôr fim à "terrível pandemia". “Prometo que nunca permitiremos que a terrível devastação causada pelo coronavírus aconteça novamente”, acrescentou.


G7 SUMMIT EM CORNUALLES

Os líderes do G7 chegarão à Cornualha na sexta-feira para três dias de reuniões. Eles serão acompanhados, telematicamente, por especialistas de diferentes áreas, incluindo o cientista-chefe do governo britânico, Patrick Vallance; o ambientalista David Attenborouh ou a filantropa Melinda Gates.

 
REUTERS / Hannah McKay / Pool

No sábado, os líderes do G7 se reunirão pessoalmente ou virtualmente com seus colegas da Austrália, África do Sul, Coréia do Sul e Índia para discutir saúde e mudança climática.

Nesse contexto, espera-se que o Primeiro-Ministro britânico peça o aumento da fabricação de vacinas, reduzindo as barreiras à distribuição internacional de injeções e compartilhando o excesso de doses com os países em desenvolvimento, tanto bilateralmente quanto por meio da Covax, que distribui as vacinas covid-19 para países desenvolvidos.
 

O Reino Unido anunciou em fevereiro que iria compartilhar a maior parte de seus excedentes de vacinas por meio do programa internacional Covax. O governo forneceu mais de 500 milhões de libras, cerca de 706 milhões de dólares, ao fundo Covax. Mas apesar de a campanha de vacinação estar bem avançada, o país ainda não tem esses excedentes, disse o secretário de Saúde Matt Hancock na sexta-feira.

REUTERS / Francis Kokoroko / Archive

 
 

Johnson também solicitará seu apoio para o 'Global Pandemic Radar', um novo sistema de vigilância que protegerá os programas de imunização contra novas variantes do COVID-19 por meio de detecção precoce.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »