05/05/2021 às 15h51min - Atualizada em 05/05/2021 às 15h51min

Presidente da CPI da Covid-19 já foi investigado por desvio das verbas públicas na saúde e até por pedofilia

Aziz foi governador do Amazonas de 2010 a 2014, e nessa época foi investigado por suspeita de irregularidades e desvios na saúde, durante a operação Maus Caminhos, o desvio das verbas públicas na saúde chegava a R$ 260 milhões, gastos com contratos milionários.

Cristina Barroso
(REPROVAÇÃO)
O homem escolhido por seus pares para nos representar em uma CPI que investiga atos criminosos cometidos por políticos, é o ex-governador do Amazonas e atual senador Omar Aziz (PSD-AM).
Porém, o político tem uma reputação pouco agradável, ele é conhecido por suas ações suspeitas de corrupção, principalmente no estado que governou, acrescentando as acusações de desvios e até pedofilia durante sua carreira.

Na última terça-feira (27), Omar Aziz (PSD-AM), foi eleito presidente da CPI da Covid-19, para investigar os prováveis desvios de verbas no setor da saúde.
Aziz foi alvo de uma operação do Ministério Público Federal, conhecida como “Maus Caminhos”, deflagrada em 2016, que desencadeou uma série de desdobramentos.
Aziz foi governador do Amazonas de 2010 a 2014, e nessa época foi investigado por suspeita de irregularidades e desvios na saúde, durante a operação Maus Caminhos, o desvio das verbas públicas na saúde chegava a R$ 260 milhões, gastos com contratos milionários.

Aziz foi citado pela Polícia Federal, 256 vezes em 257 páginas em um relatório da Operação Vertex, descrevendo a participação dele em uma organização criminosa construída com o Instituto Novos Caminhos.
Um dos trechos do relatório fala da criação e manutenção de uma organização criminosa, construída em torno do Instituto Novos Caminhos, com participação ativa de Aziz. Cita também o recebimento de propinas por parte do atual senador, no valor de R$ 500 mil, sendo entregue de forma fracionada.
Os autos, encaminhados ao Supremo Tribunal Federal para investigação do caso, terminaram em pizza, levando em conta o entendimento da Corte sobre o foro privilegiado, retornando o processo, em 2018, para o Amazonas, ainda sem decisão. 

Em 2016 o senador foi acusado de pedofilia, mas alguns parlamentares protegeram Aziz na época, e nada foi feito.
Agora, esse homem foi o escolhido por seus colegas para representar uma CPI?
Como alguém acusado de praticar tais atos na política vai investigar atos semelhantes?
É o “roto investigando o esfarrapado”.

São 21 anos de carreira política, com um currículo totalmente desabonador,  fez escola na própria família, visto que sua esposa, Nejmi Aziz, foi presa recentemente pela Polícia Federal, além dos três irmãos do senador, segundo a Jovem Pan.
 
Aziz ao ser eleito presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito que vai investigar as ações do governo e o uso de verbas federais na pandemia da Covid-19, por 8 votos a 3, indicou Renan Calheiros (MDB-AL) para a relatoria da investigação.
Renan também é investigado em diversos inquéritos por recebimento de propina. 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »