01/05/2021 às 18h19min - Atualizada em 01/05/2021 às 18h19min

"O momento é grave, e a França está em perigo." Ex-generais alertam sobre 'guerra civil sangrenta' e abrem crise no governo da França

Não é mais hora de adiar, caso contrário amanhã a guerra civil acabará em caos e mortes, pelas quais você será responsável, na casa dos milhares", conclui a carta.

Cristina Barroso
BBC News
GETTY IMAGES
O governo da França condenou uma carta aberta assinada por militares da ativa afirmando que o país está a caminho para uma "guerra civil" por causa do extremismo religioso.
 
Cerca de 1.000 membros das Forças Armadas, incluindo 20 generais da reserva, assinaram o documento, que culpa "apoiadores fanáticos" por criarem divisões entre comunidades e afirma que islamitas estão tomando conta de regiões inteiras no território francês.
A carta aberta foi publicada uma revista de direita em 21 de abril, data dos 60 anos de um golpe de Estado fracassado no país. "O momento é grave, e a França está em perigo."

Marine Le Pen, líder da extrema-direita na França e candidata na eleição presidencial de 2022, saiu em apoio aos signatários da carta.
 
Por outro lado, o documento foi duramente criticado por ministros franceses, que apontaram desrespeito à lei e falta de representatividade (as Forças Armadas do país têm mais de 300 mil membros, e milhares de oficiais na reserva).

O que diz a carta?
O documento alerta o presidente francês, Emmanuel Macron, seu governo e parlamentares de "diversos perigos mortais" ameaçando a França, incluindo "o islamismo e as hordas dos banlieues", nome dado aos subúrbios de cidades francesas onde vivem muitos imigrantes pobres.
 
Os signatários da carta aberta culpam um "certo antirracismo" por dividir comunidades e buscarem criar uma "guerra racial" ao atacar estátuas e outros aspectos da histórica francesa.
Eles também acusam o governo Macron de usar a polícia como "intermediários e bodes expiatórios" na repressão brutal dos "gilets jaunes", nome dos manifestantes que usavam coletes amarelos em protestos anti-sistema que tomaram o país a partir de 2018.
Não é mais hora de adiar, caso contrário amanhã a guerra civil acabará em caos e mortes, pelas quais você será responsável, na casa dos milhares", conclui a carta.
 
Em um país que paga por vários milhares de ex-oficiais nas listas de aposentados e da reserva, o apoio de apenas 20 deles a uma linguagem tão explosiva exige colocar a carta em perspectiva, diz Hugh Schofield, correspondente da BBC em Paris.
No entanto, o fato de o documento ter sido escrito é um sinal de tempos perigosos, e o apoio de Marine Le Pen significa que os temas continuarão a ressoar no ano de campanha presidencial que está por vir, afirma o jornalista.
 
Le Pen conclamou generais a se juntarem a ela no que chamou de "Batalha da França", em declaração dada no mesmo dia em que houve um ataque a facas numa delegacia em Paris, que vem sendo tratado como mais um ataque terrorista no país.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »