30/04/2021 às 09h52min - Atualizada em 30/04/2021 às 09h52min

Último relatório de abril alerta: "Impacto Letal" das vacinas no povo israelense

O relatório é longo e detalhado. Vou delinear apenas algumas das descobertas mais devastadoras apresentadas no relatório.

Luiz Custodio
Global Research
O relatório é longo e detalhado. Vou delinear apenas algumas das descobertas mais devastadoras apresentadas no relatório.

“Recebemos 288 notificações de óbito [mortes] nas proximidades da vacinação (90% até 10 dias após a vacinação), 64% delas eram homens.” 
 

Ainda assim, o relatório afirma, “de acordo com dados fornecidos pelo Ministério da Saúde, apenas 45 mortes em Israel foram relacionadas à vacina”. Se os números acima forem sinceros, então Israel, que alegou conduzir um experimento mundial, falhou em relatar genuinamente os resultados de seu “experimento” com a sua população.

Frequentemente ouvimos falar de coágulos sanguíneos causados ​​pela vacina da AstraZeneca [não autorizada nos EUA]. Por exemplo, soubemos esta manhã sobre ocorrência de cerca de 300 casos de coágulos sanguíneos na Europa. No entanto, se as descobertas do IPC forem genuínas, então somente em Israel a vacina mRNA da Pfizer-BioNtech pode estar associada a mais mortes do que a da AstraZeneca em toda a Europa.



“De acordo com dados do Central Bureau of Statistics durante janeiro-fevereiro de 2021, no auge da campanha israelense de vacinação em massa, houve um aumento 22% na mortalidade geral em Israel em comparação com o ano anterior. Na verdade, janeiro-fevereiro de 2021 foram os meses mais mortíferos da última década, com as maiores taxas de mortalidade geral em comparação com os meses correspondentes nos últimos 10 anos. ”



O IPC concluiu que “entre a faixa etária de 20 a 29 anos, o aumento na mortalidade geral foi mais dramático. Nesta faixa etária, detectamos um aumento de 32% na mortalidade geral em comparação com o ano anterior. ”

“A análise estatística das informações do Bureau Central de Estatísticas, combinada com as informações do Ministério da Saúde, leva à conclusão de que a taxa de mortalidade entre os vacinados é estimada em cerca de 1: 5.000 (1: 13.000 nas idades de 20-49, 1 : 6.000 em idades de 50-69, 1: 1.600 em idades de 70+). De acordo com esta estimativa, é possível estimar o número de mortes em Israel nas proximidades da vacina, a partir de hoje, em cerca de incríveis 1.000 a 1.100 pessoas. ”
Novamente, se esta análise estatística estiver correta, os números relatados pelas autoridades de saúde israelenses são enganosos em mais de 22 vezes.

Aqueles que acompanham minha escrita sabem do meu trabalho sobre a correlação inegável entre vacinação, casos de Covid-19, mortes e a disseminação de cepas mutantes. O IPC confirma minha observação, fornecendo informações mais importantes sobre grupos de idade.

“Existe uma alta correlação entre o número de pessoas vacinadas por dia e o número de óbitos por dia, na faixa de até 10 dias, em todas as faixas etárias. Idades 20-49 – um intervalo de 9 dias da data da vacinação à mortalidade, idades 50-69 – 5 dias da data da vacinação à mortalidade, idades 70 e acima – 3 dias da data da vacinação à mortalidade”. 


 

O IPC também revela que “o risco de mortalidade após a segunda vacina é maior do que o risco de mortalidade após a primeira vacina”.

Mas a morte não é o único risco relacionado à vacinação. O IPC revela que “até a data de publicação do relatório, 2.066 relatórios de efeitos colaterais se acumularam no Comitê de Investigação Civil e os dados continuam chegando.

Esses relatórios indicam danos a quase todos os sistemas do corpo humano.… a análise encontrou uma taxa relativamente alta de lesões cardíacas, 26% de todos os eventos cardíacos ocorreram em jovens de até 40 anos, com o diagnóstico mais comum nesses casos sendo miosite ou pericardite .

Além disso, foi observada uma alta taxa de sangramento vaginal maciço, danos neurológicos e danos aos sistemas esquelético e cutâneo. Deve-se notar que um número significativo de relatos de efeitos colaterais estão relacionados, direta ou indiretamente, a Hipercoagulabilidade (infarto),  infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, abortos espontâneos, fluxo sanguíneo prejudicado para os membros, embolia pulmonar. ”



Em Israel, o governo israelense está desesperado para vacinar crianças”. O IPC enfatiza que tal movimento pode ser desastroso. “Em vista da extensão e gravidade dos efeitos colaterais apresentados, gostaríamos de expressar a posição do comitê de que a vacinação de crianças também pode causar efeitos colaterais nelas, como observado em adultos, incluindo a morte de crianças completamente saudáveis. Uma vez que o coronavírus não coloca as crianças em perigo, o comitê acredita que a intenção do governo israelense de vacinar as crianças põe em risco suas vidas, saúde e seu desenvolvimento futuro”.
O IPC destaca que “nunca antes houve uma vacina que tenha afetado tantas pessoas! O sistema americano VARES apresenta 2.204 laudos de mortalidade de vacinados nos Estados Unidos no primeiro trimestre de 2021, cifra que reflete um aumento de milhares de por cento em relação à média anual, que era de 108 mortes por ano de vacinados”.

Devo mencionar que tem havido muito pouca cobertura do trabalho do IPC na imprensa israelense [jornalistas pre$$titutes existem em todos os países]. Esses especialistas em saúde estão empenhados em um trabalho corajoso, sabendo que sua licença para trabalhar na profissão médica e sua subsistência correm sério risco.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »