12/04/2021 às 10h27min - Atualizada em 12/04/2021 às 10h27min

Conservador Guillermo Lasso é eleito presidente do Equador

Ex-banqueiro vai comandar a partir de 24 de maio o país com 17,4 milhões pessoas.

Da Redação
O novo presidente do Equador, Guillermo Lasso | Foto: Reprodução/Twitter Guillermo Lasso
O ex banqueiro e conservador Guillermo Lasso derrotou o economista de esquerda Andrés Arauz e foi eleito presidente do Equador no último domingo (11). Lasso obteve 52,49% dos votos válidos, contra 47,51% de Arauz e embora a apuraçção das urnas esteja na casa dos 96%, Lasso pode ser considerado eleito.

Guillermo Lasso tem origens humildes, mas cresceu na vida através do trabalho. Com 22 anos se tornou gerente da Procrédito, uma empresa que era a representante no Equador da financeira FeCrédito do Panamá. As duas empresas se fundiram com a criação da Finansur, onde Lasso se tornaria CEO, aos 30 anos.

Esta é a terceira vez que Lasso se candidata à presidência do Equador. Antes de 2021, ele tentou em 2013 e em 2017, mas foi derrotado por Rafael Correa e Lenín Moreno, ambos do partido de extrema esquerda Alianza País, ligado ao Foro de São Paulo.

Desafios
O presidente eleito apresentou um programa conservador-liberal para vencer as eleições. Ele se mostrou contra o aborto e a favor de fortalecer as relações com os EUA, principalmente para lidar com a questão do tráfico de drogas. Além disso, Lasso terá trabalho para recuperar o país, que viu a taxa de desemprego aumentar 250%, indo de 3,8% no final de 2019 para 13,3% em 2020, devido às políticas autoritárias de lockdown impostas pelo presidente de extrema esquerda Lenín Moreno, que está no poder desde 2017 e fez a taxa de pobreza aumentar para 32,4%.

Para 'arrumar a casa', Lasso disse que irá utilizar sua experiência como banqueiro e implementará diversas medidas de mercado, como a reforma trabalhista, na qual pretende reduzir custos de contratação através da desburocratização, bem como a inclusão do Equador na Aliança do Pacífico, um bloco que reúne os países sul americanos Chile, Colômbia, México, Peru. A meta de Lasso é gerar 2 milhões de empregos com essas medidas nos próximos 4 anos de governo e consertar o país, destruído pela esquerda.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »