14/03/2021 às 21h48min - Atualizada em 14/03/2021 às 21h48min

A Rússia começou a testar a vacina Sputnik V em pacientes com câncer

O diretor do Instituto Gamaleya indicou que pacientes com câncer não apresentam contra-indicações para a inoculação, mas admitiu que a fórmula não atingiria a mesma eficácia devido aos medicamentos e quimioterapia

Lucas Silva
Infobae

A Rússia iniciou os testes clínicos da vacina contra covid-19, Sputnik V, em pacientes com câncer, anunciou Alexandr Gintsburg, diretor do Centro Gamaleya.
 

"Separadamente, a pesquisa com pacientes com câncer já começou ", disse Gintsburg à televisão pública russa. O cientista frisou que “no momento não há nenhuma doença oncológica que possa ser contra-indicada contra essa vacina”.
 

Mas ele esclareceu: “ A única exceção são aqueles casos em que o paciente está em quimioterapia e toma medicamentos que evitam a multiplicação das células ”.
 

Nesses casos, ele especificou, "a vacina não faz nada de mal, mas ao mesmo tempo o efeito (desejado) da vacinação não é alcançado ".
 

Gintsburg também desaconselhou o uso do Sputnik V para pessoas com complicações alérgicas graves .

(Reuters)

(Reuters)

(Reuters)

O Centro Gamaleya colabora no estudo dos efeitos da vacina em pacientes com câncer com o principal oncologista do Ministério da Saúde, Andréi Kaprin.

 

O melhor até agora?

O cientista destacou que o Sputnik V tem demonstrado "a mesma eficácia" em todos os segmentos de idade, inclusive aqueles com mais de 60 anos. “ Entre os 4-6 preparados (contra o coronavírus) que existem no mundo (...), pelo que vemos, o Sputnik V ocupa o primeiro lugar, pelas suas qualidades ”, frisou.
 

Além disso, considerou que aquelas pessoas que já contraíram o vírus, mas têm poucos anticorpos, devem ser vacinadas da mesma forma que aquelas que nunca foram infectadas.

“ A duração dos efeitos (imunológicos) desta vacina será muito longa. Esperamos que demore dois anos ou mais ”, acrescentou.
 

O Sputnik V, ao qual a Rússia já adicionou duas outras vacinas -EpiVacCorona e CoviVac-, já foi registrado em 50 países com uma população de mais de 1,3 bilhão de pessoas.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) iniciou o processo de avaliação do Sputnik V na semana passada, etapa que deve levar à obtenção de uma licença para seu uso no território da União Europeia (UE).
 

O Fundo Russo de Investimento Direto fechou contratos com uma dezena de laboratórios farmacêuticos do Brasil, China, Irã, Sérvia ou Coréia do Sul para a produção no exterior de cerca de 1,4 bilhão de doses e, segundo a imprensa, há negociações em andamento com o mesmo fim com europeus países.

(Com informações da EFE)


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »