28/02/2021 às 19h56min - Atualizada em 28/02/2021 às 19h56min

Óleo de soja provoca alterações genéticas no cérebro, aponta pesquisa da UC Riverside

O óleo de soja não só leva à obesidade e diabetes, mas também pode afetar condições neurológicas como autismo, doença de Alzheimer, ansiedade e depressão.

Cristina Barroso
UC Riverside
(REPRODUÇÃO)
Nova pesquisa da UC Riverside mostra que o óleo de soja não só leva à obesidade e diabetes, mas também pode afetar condições neurológicas como autismo, doença de Alzheimer, ansiedade e depressão.
Usado para fritar em fast food, adicionado a alimentos embalados e dado ao gado, o óleo de soja é de longe o óleo comestível mais amplamente produzido e consumido nos EUA, de acordo com o Departamento de Agricultura dos EUA. Muito provavelmente, não é saudável para os humanos.

Certamente não é bom para ratos. O novo estudo, publicado este mês na revista Endocrinology, comparou ratos alimentados com três dietas diferentes com alto teor de gordura: óleo de soja, óleo de soja modificado para ter baixo teor de ácido linoléico e óleo de coco.
A mesma equipe de pesquisa do UCR descobriu em 2015 que o óleo de soja induz obesidade, diabetes, resistência à insulina e fígado gorduroso em camundongos. Então, em um estudo de 2017, o mesmo grupo aprendeu que se o óleo de soja for projetado para ter baixo teor de ácido linoléico, ele induz menos obesidade e resistência à insulina.
No entanto, no estudo divulgado este mês, os pesquisadores não encontraram nenhuma diferença entre os efeitos do óleo de soja modificado e não modificado no cérebro. Especificamente, os cientistas descobriram efeitos pronunciados do óleo no hipotálamo, onde uma série de processos críticos ocorrem.

“O hipotálamo regula o peso corporal por meio do metabolismo, mantém a temperatura corporal, é fundamental para a reprodução e o crescimento físico, bem como sua resposta ao estresse”, disse Margarita Curras-Collazo, professora associada de neurociência da UCR e autora principal do estudo.
A equipe determinou que vários genes em ratos alimentados com óleo de soja não estavam funcionando corretamente. Um desses genes produz o hormônio do “amor”, a oxitocina. Em ratos alimentados com óleo de soja, os níveis de oxitocina no hipotálamo baixaram.
A equipe de pesquisa descobriu cerca de 100 outros genes também afetados pela dieta do óleo de soja. Eles acreditam que essa descoberta pode ter ramificações não apenas para o metabolismo energético, mas também para o funcionamento adequado do cérebro e doenças como autismo ou doença de Parkinson. No entanto, é importante observar que não há provas de que o óleo causa essas doenças.
Além disso, a equipe observa que as descobertas se aplicam apenas ao óleo de soja - não a outros produtos de soja ou a outros óleos vegetais.

“Não jogue fora seu tofu, leite de soja, edamame ou molho de soja”, disse Frances Sladek, toxicologista da UCR e professora de biologia celular. “Muitos produtos de soja contêm apenas pequenas quantidades de óleo e grandes quantidades de compostos saudáveis, como ácidos graxos essenciais e proteínas.”
Uma advertência para os leitores preocupados com sua refeição mais recente é que este estudo foi conduzido em ratos, e os estudos em ratos nem sempre se traduzem nos mesmos resultados em humanos.
Além disso, este estudo utilizou ratos machos. Como a oxitocina é tão importante para a saúde materna e promove o vínculo mãe-filho, estudos semelhantes precisam ser realizados com ratos fêmeas.

Uma observação adicional sobre este estudo - a equipe de pesquisa ainda não isolou quais produtos químicos no óleo são responsáveis ​​pelas alterações encontradas no hipotálamo. Mas eles descartaram dois candidatos. Não é ácido linoléico, já que o óleo modificado também produziu distúrbios genéticos; nem é estigmasterol, um produto químico semelhante ao colesterol encontrado naturalmente no óleo de soja.
Identificar os compostos responsáveis ​​pelos efeitos negativos é uma área importante para as pesquisas futuras da equipe.
“Isso pode ajudar a desenvolver óleos dietéticos mais saudáveis ​​no futuro”, disse Poonamjot Deol, um cientista assistente do projeto no laboratório de Sladek e primeiro autor do estudo.
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »