30/08/2020 às 08h21min - Atualizada em 30/08/2020 às 08h17min

O BRASIL E A LANTERNINHA DA CIÊNCIA

Alessandro Loiola
https://www.sciencenews.org/article/scientists-sometimes-conceal-lack-knowledge-vague-words
Um Mestrado dura 24 meses. Em instituições particulares, a mensalidade de um Mestrado Acadêmico varia de R$1,8 mil (Administração de Empresas) a R$1,9 mil (Ciências Médicas). Um Mestrado Profissional varia de R$2,2 mil (Odontologia) a R$2,4 mil (Direito). Vamos considerar então que, para um Mestrado, a mensalidade média em instituições particulares gira em torno de R$2 mil. Para produzir um Mestre, são necessários R$48 mil. Não é uma fortuna, mas certamente é um bom dinheiro.

Um Doutorado dura cerca de 48 meses e tende a ser um pouco mais salgado: em instituições particulares como PUC e FGV, a mensalidade varia de R$1,4 mil a R$ 3,5 mil. Podemos considerar então que, para um Doutorado, a mensalidade média em instituições particulares gira em torno de R$2,45 mil. Para produzir um Doutor, são necessários R$117,6 mil. Novamente, não é uma fortuna, mas certamente é um bom dinheiro.

Apenas no ano de 2016, o Capes concedeu 50.273 bolsas de mestrado e 43.045 de doutorado. Se utilizarmos os valores acima, as bolsas de Mestrado "patrocinadas" pelo Capes equivalem a um investimento de cerca de R$2.434.704.000 (dois bilhões de reais e uns trocados) ao longo de 2 anos;  e as bolsas de Doutorado, a cerca de R$ 5.062.092.000 (meros 5 bilhões de reais) ao longo de 4 anos. 

Na década passada o Capes consumiu a bagatela de R$18 bilhões de reais – ou uns 5 bilhões de dólares, arredondando pra não levar moedinhas nem bala no troco pra casa.

Em 2012, ao custo de 10 anos de estudos e pesquisas e sob um investimento de 2,5 bilhões de dólares, a NASA colocou a sonda Curiosity no solo marciano.

Ou seja: no mesmo intervalo de tempo e pela metade do preço que nosso país investe para formar Mestres e Doutores, os Mestres e Doutores nos EUA pousaram uma nave terrestre em um planeta a 230 milhões de quilômetros daí da sua casa.

E depois de toda esta grana gasta, o que tempos? Universidades que custam uma fortuna e produzem impactos científicos pífios: nossos "orgulhos" – USP e UFRJ, por exemplo – não aparecem sequer entre as 700 primeiras faculdades em um ranking internacional de 1000 instituições de ensino superior.

Em termos de impacto científico, o Brasil tem uma nota média de 1,8 – em um escore que vai de zero a 10. Se fosse uma escola primária, 1,8 certamente não faria o Brasil passar de ano. 

Estes dados sobre o valor da ciência produzida ao custo de ouro em nossas universidades foram compilados em uma série de excelentes artigos e estudos realizados pelo professor Marcelo Hermes Lima. O trabalho de Hermes Lima é crucial para entendermos o que está muito errado com nosso sistema de ensino, mas também oferece uma luz sobre quais caminhos devemos tomar para recuperar nosso prestígio. Ainda há tempo. Será que há vontade?
Link
Alessandro Loiola

Alessandro Loiola

Escritor, encantado por História, Sociologia e Geopolítica, aspirante a filósofo e, por acaso, médico.

Relacionadas »
Comentários »

Você votaria em Bolsonaro para Presidente em 2022?

90.1%
9.9%