12/01/2022 às 08h55min - Atualizada em 12/01/2022 às 08h33min

Política... hummm, sei!!! Politicagem, isso, sim! Né, Casagrande???

Alexandre Siqueira
O modus operandi da política brasileira é um mal que vai ser duro de mudar. O troca-troca e o jogo de interesses passam à margem do bem do cidadão brasileiro, e do país. Tanto faz, se no âmbito municipal, estadual ou federal, a prática política é uma verdadeira aberração.

E quando algum político tenta mudar o conceito de atuação, ele é execrado pela banda podre que joga contra. É só pegar como exemplo, nas três esferas, além da presidência da república, claro: na esfera municipal, o vereador de Belo Horizonte, Nikolas Ferreira (PRTB/MG); na estadual, o deputado Fernando Francischini (PSL/PR); e na federal, o deputado Daniel Silveira (PSL/RJ), e o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Todos sofrem perseguição por suas atuações, que são o oposto da politicagem, ou politicalha, como queiram, do sistema que impera no país. E a perseguição não é pouca coisa, não. O jogo é sujo, bruto e covarde. Dentro das casas legislativas, na imprensa, no judiciário, enfim, o buraco das sacanagens não tem fundo. Olha o que está acontecendo com o governo federal!

Este ano, eleitoral por sinal, o jogo inclui conluios que fogem à imaginação e percepção do povo.

É assim no Brasil todo, mas vamos ao caso do estado do Espírito Santo.

Governado por um esquerdista, Renato Casagrande do PSB, que em entrevista no último dia 23 de dezembro, declarou que seu apoio será dado ao ex-presidiário Lula ou ao destemperado coronelzinho do Ceará, Ciro Gomes. O governador já serve de trunfo para medidas politiqueiras com vistas a angariar votos na próxima eleição. Duas cidades capixabas já deram o ar da graça para isso. Cariacica e Colatina.

Estes dois municípios respondem por 13% do total de eleitores do estado (78 cidades). Os dois prefeitos, Guerino Balestrassi (PSC) e Euclério Sampaio (DEM), respectivamente, de Colatina e Cariacica, que fazem parte de partidos da base de apoio do governador, cometeram um crime, sob a ótica da política séria, contra a sociedade. A pretensão é, além dos benefícios dos envolvidos, catalisar votos como um efeito cascata (familiares, amigos, simpatizantes, partidários, e por aí, vai).

O prefeito de Colatina enviou um projeto de aumento de 6% para os servidores municipais, e de 110% para seu secretariado. A votação foi unânime para o aumentos dos servidores, e 12 votos a favor e 2 contrários ao aumento dos vencimentos dos secretários. Um escárnio!!!

Por sua vez, o mandatário de Cariacica sancionou um projeto de lei dos próprios vereadores do município, aprovado por eles mesmos, que aumenta em 28% a verba de gabinete, e passa de 12 para 15 o número de seus assessores. Constrangedor (mas não para os caras de pau)!

Para ilustrar, a Câmara de Cariacica tem 19 vereadores e somente 3 votaram contra. Adivinha!!! Este projeto dos vereadores, de número 01/22, foi protocolado no dia 3 de janeiro, “votado” e aprovado no mesmo dia, e dois dias depois, sancionado pelo prefeito.

Como curiosidade, assista como é sacramentada a votação. É vapt-vupt!!!



Agora, ganha um doce para quem perguntar o que o governador Casagrande acha de tudo isso.


 
Link
Alexandre Siqueira

Alexandre Siqueira

Jornalista e administrador esportivo. Articulista no Jornal da Cidade e Jornal Tribuna Nacional.

Tags »
Relacionadas »
Comentários »