31/03/2021 às 05h51min - Atualizada em 31/03/2021 às 05h37min

Quem suprimiu a Ivermectina?

Montanhas de dados surgiram de muitos centros e países ao redor do mundo, mostrando a eficácia milagrosa da Ivermectina. Ela praticamente oblitera a transmissão desse vírus, se você tomar, você não ficará doente.

O Informante
Claudia Ribas
O bio químico japonês Satochi Omura, em 1970, descobriu uma bactéria que tinha efeitos intrigantes contra lombrigas. Satochi compartilhou sua descoberta com seu colega americano William Campbell (que trabalhou para a farmacêutica Merck). Campbell usou a bactéria para criar um medicamento chamado Ivermectina que foi lançado pela Merck em 1980. Logo descobriram que a Ivermectina era extremamente eficaz contra uma doença chamada oncocercose que, é mais conhecida como cegueira dos rios.
A cegueira dos rios é causada por um verme parasita. Essa doença causou sofrimento inenarrável e até mesmo morte em partes da América Central e do Sul e parte da África. Com o uso da Ivermectina a cegueira dos rios foi amplamente eliminada nas Américas e muito reduzida na África.
Bilhões de doses da droga foram administradas e está listada como um dos medicamentos essenciais da Organização Mundial da Saúde. A patente da Merck sobre a Ivermectina expirou em 1996. É um medicamento extremamente barato de produzir e está disponível em todo o mundo em uma variedade de formulações. O melhor de tudo? É extremamente seguro. Nas dosagens normais não tem efeitos colaterais.
Em 2015, em reconhecimento as suas contribuições o Dr Omura recebeu o prêmio Nobel de medicina e compartilhou com o Dr. Campbell.
Avançando para o início de 2020, quando a pandemia da covid-19 estava se espalhando para o mundo, cientistas e médicos estavam procurando freneticamente por drogas que pudessem tratar a doença. O lugar óbvio para começar era um dos medicamentos existentes que mostraram atividade antiviral. No início do ano, cientistas que trabalham na Monash Univesity, na Austrália, fizeram uma pesquisa bibliográfica e descobriram que a Ivermectina mostrou atividade contra vírus, tais como: Zica, o Nilo Ocidental e Influenza. Eles realizaram uma série de experimentos nos quais descobriram que a Ivermectina apresenta atividade notável contra sars covi2 in vintro, ou seja, em tubos de ensaio. Em seguida publicaram os resultados em um artigo que apareceu em abril de 2020. Descobriram que um único tratamento com Ivermectina produz uma redução de 5. 000 vezes nos níveis virais sem qualquer citotoxicidade. O que significa que não prejudica as células.
Juntos com os seus resultados eles propuseram um mecanismo pelo qual a Ivermectina atinge esse efeito milagroso. Na mesma época dois cientistas, trabalhando nos Estados Unidos, perceberam que a Ivermectina estava sendo amplamente usada como profilaxia contra a cegueira dos rios na África. Eles perguntaram se a Ivermectina teria algum efeito nas taxas do covid-19, olharam para países que ela foi administrada em populações inteiras e compararam as taxas com países que não tinham esse programa. Assim descobriram que países com ampla profilaxia com Ivermectina obtiveram taxas significativamente mais baixas da covid-19. Enquanto isso, médicos no mundo todo estavam lidando com pacientes sendo massacradas pelo covid-19. Eles não tinham bons medicamentos para tratar a doença. Um desses médicos Foi o Dr Jean Jacques Rajter, um especialista em terapia intensiva e pulmonar, trabalhando na Broward Health Medical Center, o maior hospital do Condado de Miami. Sendo um especialista de pulmão trabalhando na UTI. Dr Rajter estava na linha de frente na guerra contra o Covid. Um dia, conversando com o filho de uma senhora idosa que estava indo muito mal na sua luta contra o covid na UTI. Os pacientes não podiam receber visitas dos seus entes queridos nem mesmo antes de morrer, eles tinham que dizer suas palavras finais por telefone. Dr Hajter contou:
 
- Eu liguei para o filho da paciente e disse: "Escute, talvez você queira ligar para sua mãe, ela está deteriorando rapidamente e provavelmente vai acabar em um respirador, então fale com ela agora."
- Doutor, tem mais alguma coisa, tem que ter mais alguma coisa.
- Não, não senhor, eu não tenho nada, ninguém tem nada".
Felizmente, para essa paciente, esse homem não desistiu tão facilmente e pressionou o Dr Rajter para pensar em um tratamento.
- Escute, tem esse estudo que eu analisei há dois dias, em tubos de ensaio in vitro, sobre uso de Ivermectina. Ok! Então vamos fazer isso!
 
Então ela tomou a Ivermectina, dentro de 48 horas os valores de seu FO2 estavam caindo de novo e em uma semana ou duas ela recebeu alta.
Dr. Rajter passou a tratar uma série de pacientes com covid com a Ivermectina e publicou os resultados em um artigo de pré publicação que apareceu em junho de 2020. No final de 2020 ele testemunhou perante um comitê do senado sobre as suas experiências tratando pacientes com a Ivermectina.

- Das centenas dos nossos pacientes tratados pela minha equipe, apenas dois, eu repito, dois, foram internados no hospital. Nenhum dos dois morreu, nenhum deles precisou de entubação.

 
Ao mesmo tempo, em todo o mundo, uma série de estudos controlados e involuntários sobre a Ivermectina para prevenir a covid-19 estava sendo realizado. Um desses estudos estava acontecendo em Ontario no Canadá. Lá, em uma casa de repouso, teve um surto de escabiose em março de 2020. Os moradores foram tratados com Ivermectina (que elimina sarna), e não tiveram Covid-19. A equipe não recebeu Ivermectina e muitos deles testaram positivo para covid-19 quando a pandemia varreu Ontario na primavera. Apesar da equipe entrar em contato constante com os moradores, eis o que aconteceu:
"No quarto andar da casa de repouso, que é o andar onde teve o surto de sarna, eles receberam a maior dose, teve os funcionários mais infectados, e nem um único morador foi infectado com a covid".
Conforme relatos informados mais estudos como esse foram realizados. Um dos médicos que realizou o estudo foi o Dr. Pierre Kory, um pneumologista e especialista em UTI que trabalha no prestigiado hospital de Nova York - o Monte Sinai Beth Israel. 
Nova York sofreu um dos piores surtos da covid do mundo. O Dr Pierre teve uma visão mais próxima da covid-19 que qualquer outro médico na Terra.
Na primavera de 2020 o Dr Kory se juntou ao Dr Rajter e com o Dr Palmery para formar a Front-Line Covid-19 Critical Care Alliance. Em outubro de 2020 a FLCC lançou o protocolo I-Mask+, que se concentra no uso de Ivermectina para prevenir e tratar a covid-19. 
No ínício de novembro de 2020 a FLCC divulgou um artigo no qual eles revisaram o uso de Ivermectina no tratamento da covid-19. Este artigo foi uma meta análise e descobriram que a Ivermectina foi extremamente eficaz em ambos (prevenção e tratamento da covid-19).
Todos os estudos mostraram que o uso da Ivermectina é superior ao controle.
Em 9 de dezembro de 2020 membros da FLCC comparecerem perante um comitê do senado sobre o tratamento da covid-19 que foi presidido pelo senador Ron Jhonson. Aqui estáo alguns depoimentos do DR, Kory para o comitê:
 
- Montanhas de dados surgiram de muitos centros e países ao redor do mundo, mostrando a eficácia milagrosa da Ivermectina. Ela praticamente oblitera a transmissão desse vírus, se você tomar, você não ficará doente. Eu não posso continuar cuidando de pacientes quando eu sei que eles poderiam ter sido salvos com tratamento precoce, e aquele medicamento que iŕa tratá-los e previnir a hospitalização é a Ivermectina. Tudo o que peço é, que o NIH revise nossos dados que compilamos de todos os dados emergentes. Nós temos quase 30 estudos, todos são confiáveis e de reprodutibilidade positiva, mostrando o impacto dramático da Ivermectina.
 
Considerando todas as mortes e a destruição econômica causada pela covid-19, você pensaria que o governo, as agencias de saúde e a mídia dos Estados Unidos acolheriam essa noticia de braços abertos?

Forças poderosas agiram em conjunto para suprimir completamente qualquer informação sobre a eficácia da Ivermectina no tratamento e prevenção da covid-19.

 
Quem suprimiu a Ivermectina?
 
A mídia, o grupo Big Tech, o YouTub (que é propriedade do Google), o Twitter, o Facebook, o NIH (Instituto Nacional de Saúde da América).
Pesquisem sobre o tratamento indicado pelo NIH - dentre os detalhes chocantes, eles também recomendam o Remdensivir do laboratório Gilead, que foi desenvolvido para o tratamento de pacientes com febre hemorrágica (Ebola), mas nunca foi aprovado para nenhuma doença antes.
É essencial entender os laços financeiros da Gilead.
 
Quem faz o Remdensivir?
 
É feito pela Gilead que, de 1997 à 2001, o presidente foi Donald Rumsfield (um dos arquitetos da invasão do Iraque), durante o mesmo tempo um dos membros do conselho da Gilead era o Georg Shultz, aliado da família Bush de longa data.
      
Basta olhar a informação financeira do painel de tratamento, verá que não menos que sete membros divulgam apoio financeiro da Gilead.
Por que eles escolheram suprimir a Ivermectina e forçaram um medicamento que eles sabiam que não funcionava?
Fizeram isso para que uma empresa farmacêutica com profundas conexões políticas, enorme apoio da mídia e apoio das Big Techs pudesse fazer lucros obscenos para eles mesmos e seus acionistas.
Já sabemos quem são os vilões nessa história.
 
Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.
João 8:32
 
Até a próxima!

 

Link
Claudia Ribas

Claudia Ribas

Professora, Gestora de Recursos Humanos, escritora, mãe, conservadora, patriota.

Relacionadas »
Comentários »